30/12/2010

Comida thai

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , às 11:45 pm por Paula R.

Para quem visita São Paulo, a cidade costuma ser sinônimo de duas coisas: comida e compras. Por isso, costumo deixar meu hóspede da vez escolher o que quer comer e, nessas, acabo descobrindo lugares legais. Numa das últimas vezes que meu cunhado veio pra cá, estava com vontade de comida tailandesa e lá fui eu pesquisar na internet algum restaurante, pois nunca provara nada do gênero.

Alguns eram caros, outros tinham fechado ou eram distantes e, assim, acabamos escolhendo o Mestiço, que eu já tinha passado na frente várias vezes – é vizinho do La Tartine –, mas nunca pensara em parar. Curiosamente, o cardápio reúne pratos da culinária tailandesa e da brasileira.

O ambiente é meia-luz, mas não chega a ser formal. Tivemos que esperar um pouco antes de conseguir mesa, talvez uns 20 minutos, mas nesse intervalo pedimos uma cerveja e uma porção de krathong-thong, cestinhas recheadas com frango e especiarias, como aperitivo. Depois de sentados, ainda comemos a ciabata com queijo cremoso, que estava muito boa.

De prato principal fui de hua-hin, composto por frango com shitake ao molho de gengibre estilo tailandês acompanhado de arroz de jasmim. Achei o tempero bem diferente e gostoso, nada picante ou agridoce, como tem fama a culinária thai. O prato também é bem servido, por isso não se empolgue com as entradas.

Infelizmente, não anotei os preços dos pratos, mas, sem incluir as bebidas alcoólicas, saiu R$ 57 por pessoa. A casa também tem massas, saladas e outros tipos de carnes. No almoço, há opções de menu executivo.

Serviço:
Mestiço
Rua Fernando de Albuquerque, 277
Cerqueira César – São Paulo-SP
Tel.: (11) 3256-3165
www.mestico.com.br

(Fotos: reprodução do site do restaurante)

28/12/2010

Do Fasano à Cepam

Posted in Aprovados (ou não) tagged , , , , , , , às 11:30 pm por Paula R.


A origem do panettone é um pouco controversa, mas a maioria das versões parece concordar que a receita de um “pão naturalmente fermentado e recheado com frutas cristalizadas” foi criada em Milão, na Itália, talvez por volta do século XV. E, como grande parte das receitas italianas, ganhou as graças do brasileiro e, hoje em dia, é quase um sinônimo de Natal.

Gosto dessas “comidas de época” e, desde pequena, como panettone com margarina – o chocottone, uma invenção mais recente, acho gostoso por si só. A cada ano surgem novas receitas, algumas só com uvas passas, outras com doce de leite, ameixa, goiabada, outras com tudo isso junto.

Nunca tinha pensado em fazer em casa, mas andei vendo umas receitas por aí – como essa do Prato Fundo – que parecem interessantes. Neste Natal, também provei pela primeira vez três marcas que merecem destaque.

Fasano (mais de R$60)

Quem nunca ouviu falar do restaurante Fasano? Número 1 em 9 a cada 10 listas de restaurantes na categoria comida italiana, a casa é tão inatingível para a maioria dos paulistanos quanto é famosa. O medo dos cifrões sempre tiraram o Fasano das minhas opções na hora de escolher um lugar para comer bem – talvez falte conhecer alguém que tenha ido e incentive com aquele “é caro, mas vale à pena”.

O mais perto que cheguei do Fasano até então foi do seu panettone, compartilhado pela minha prima Romi. A “receita clássica”, como eles mesmo intitulam, é de 1902 e merece respeito pela longevidade. Massa fofinha, com textura fresca e frutas cristalizadas. Nem precisei de margarina.

> Visite: http://www.fasano.com.br/

Cacau Show (R$ 35)

A versão recheada com trufa de avelã minha irmã ganhou de presente e também teve que repartir com a família. Era bem recheado e a cobertura de chocolate ao leite tornava o exemplar mais um doce do que qualquer outra coisa. Acabou num café da tarde.

> Veja os outros sabores em: http://www.cacaushow.com.br/

Cepam (menos de R$ 10)

A Cepam é uma panificadora na Vila Prudente, que fica pertinho da casa de uns amigos. Eles me levaram lá para jantar outro dia – e isso dá um outro post – e ficamos perdidos com a quantidade de opções de panettones que a casa oferecia, a maioria da Village (não entendi direito, mas acho que a padaria pertence à marca). Compramos um de doce de leite e gotas de chocolate, que nem vinha na caixinha e tinha sido feito no dia anterior, ou seja, fresquíssimo. Muito gostoso e custou apenas R$ 5,50.

Também levamos um chocottone fatiado, que, infelizmente, não encontrei foto na internet e nós devoramos antes de qualquer registro. Custou R$ 7,90 e é do formato de um pão de forma, mas com gosto e textura de chocottone. O comentário geral do pessoal que experimentou lá em casa foi: Por que ninguém pensou nisso antes?

> Mais em: http://www.villagecepam.com.br/

(Fotos: reproduções daqui e daqui)

22/12/2010

Post natalino

Posted in Aprovados (ou não) tagged , , , , , , , às 11:04 am por Paula R.

Natal, pra mim, significa estar perto da família, das primas com quem cresci, significa comer pratos que só são preparados nessa época do ano, escolher presentinhos para agradar pessoas que amo. Mas vale registrar que também acho um despropósito esse consumismo desenfreado que se instaura e as decorações natalinas extravagantes (e nada tropicais).

Deixando essa minha porção Che de lado, o que vim fazer aqui é falar de alguns mimos comestíveis que podem ser dados nesse período. Eles são práticos e agradam a praticamente todo mundo, desde que a pessoa não tenha restrições alimentares. Lembrancinhas dessa categoria também são indicadas para presentear o pessoal do trabalho, da aula de inglês, o porteiro, a mãe daquele amigo que sempre te reserva um pedaço de bolo.

Panetones são clássicos, mas quem tem dotes culinários pode se aventurar e fazer um presente ainda mais personalizado. Seguem algumas dicas.

:. Clique nas imagens para saber mais.


Cupcakes estão na moda, mas bombons, cookies e biscoitinhos sempre agradam. Esses são dO doce mundo de Lili, que aceita encomendas até dia 23/dez.

A Kopenhagen investe em panetones e caixas de bombons temáticas. Não é barato, mas é coisa fina.

Além dos itens tradicionais, a Cacau Show oferece cartões, barras com mensagens de Ano Novo e enfeites de árvore de Natal.

O blog Casa da Chris, que já citei por aqui, deu como dica uma receita de brownie para presentear os amigos mais chegados. Pena que só vi depois de ter decidido as minhas lembracinhas. Ano que vem devo adotar a ideia.

(Fotos: reprodução dos respectivos sites. Ilustração de Renate Kalloch/stock.xchng)

21/12/2010

Mega quilo japa

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , às 7:20 pm por Paula R.


Apesar de não gostar muito desse, não consegui pensar em outro título para o post. Há tempos estava para falar do Nademoya e, depois de revisitá-lo no final de semana, resolvi colocar a determinação em prática. E o restaurante é isso: um enorme self service, com a maior quantidade de pratos que já encontrei por aí.

Todas as vezes que fui acabei pegando mais do que precisava. São inúmeras opções de comida japonesa, inclusive de sashimis variados, além de algumas orientais e brasileiras. Por conta da rotatividade, os pratos estão sempre frescos. Foi lá que provei a pitaya, uma fruta que parece visualmente uma alcachofra “diabólica” com sabor de kiwi. O valor do quilo varia entre R$ 35 e R$ 40 e a refeição inclui um missoshiro e uma fruta/gelatina grátis.

A frente da casa não tem nenhum atrativo e há chances de você passar reto, portanto, anote o número. Ao entrar, não se assuste com o tamanho do salão que comporta 400 pessoas e vive cheio, pois as filas andam rápido e o sistema de refrigeração dá conta. Em geral, tem música ao vivo – o músico de domingo é particularmente bom.

Nota: foto atualizada em 23/abril. O prato em questão saiu por R$ 21.

Serviço:
Nandemoya
Rua Américo Campos, 9
Liberdade – São Paulo-SP
Tel.: (11) 3341-6145

(Foto: Paula R.)

20/12/2010

A comida nas Artes – parte 13

Posted in Artes Plásticas tagged , , , , , às 11:00 pm por Paula R.


Comfort Food
, 2007, Ashley Cecil (1981- , EUA). Óleo sobre tela.

Nota: sei que é até meio estranho postar o quadro de uma pintora desconhecida (jovem e ainda viva) depois de um quadro do Van Gogh. Encontrei o blog da artista numa busca pela internet e gostei da temática – ainda mais que ontem passei o dia na Liberdade. A técnica não é primorosa, mas achei as cores harmoniosas (e apetitosas). Afinal, nem só de clássicos vive o homem.

(Foto: reprodução do site da artista. Visite.)

17/12/2010

Espeto honesto

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , às 12:03 am por Paula R.

Nos últimos três anos, por motivos inesperados (e inexplicáveis), Barretos passou a fazer parte da minha vida. De tempos em tempos venho para cá – não na época da Festa do Peão, que fique registrado –, mas não posso dizer que conheço a cidade a fundo, inclusive no campo gastronômico.

Hoje, entretanto, comi num lugar que merece citação. O Atavilla’s Espeto fica num bairro um pouco afastado do Centro e as instalações consistem numa espécie de edícula, onde funciona a cozinha, seguida de uma cobertura e alambrados. Ambiente simples, com público familiar.

A especialidade da casa são espetos, que saem uma média de R$ 7,50, acompanhados de arroz, feijão tropeiro, mandioca cozida e patê de alho. Além disso, há a “porção do dia”, que foi nossa pedida. A porção de costela no bafo, com os mesmo acompanhamentos já citados, saiu por R$ 38,90 e dava para quatro pessoas.

Saímos satisfeitos, mas o acontecimento que mais merece registro se deu depois de mais de duas horas, quando minha irmã se preparava dormir. Ela não encontrava o celular e resolvi ligar para tentarmos identificar o toque. Na segunda tentativa, um homem atendeu e, pelo som ambiente, me dei conta que o aparelho havia ficado no restaurante. Perguntei se tínhamos esquecido o celular no Atavilla’s e ele me respondeu: “Esqueceu, sim. Está aqui guardado pra senhora”.

Foi curioso me dar conta que uma atitude, que era para ser a natural, me causou surpresa. Acho que a gente fica mal acostumada quando vive muito tempo numa cidade em que não se pode esquecer nem guarda-chuva quebrado nos lugares. Ponto positivo para Barretos.

Serviço:
Atavilla’s Espeto
Av. 35, 169
Bom Jesus – Barretos-SP
Tel.: (17) 3323-7152

(Foto: reprodução daqui)

13/12/2010

Divine pecan pie

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , às 1:39 pm por Paula R.

Conforme anunciei no post do Augosto, minha outra descoberta recente foi a Doce de Laura, um antro de perdição gastronômica a dois quarteirões do meu trabalho. O lugar é pequeno e pode passar despercebido na parte menos badalada da Aspicuelta, mas vale à pena anotar o endereço.

Já na vitrine, dá para se perder diante de tantas opções com cara boa. São bolos e tortas diversos, inteiros ou em fatias. Para comemorar o aniversário de uma colega, compramos a torta de pecã (R$ 42) e fiquei encantada. Depois de semanas sem comer doces, acho que quebrei a dieta em grande estilo. O sabor era incrível (e diferente do tipo de sobremesa que estou acostumada), recheio molinho com pecãs inteiras, massa de desfazer na boca… Já estou com saudade!

Cheguei a almoçar torta de frango com saladinha lá, mas achei a porção pequena para o valor. Porém, em relação aos doces, que são a especialidade da casa, o pessoal do trabalho que já conhecia recomendou todo o cardápio. Tenho que ir com calma, mas ainda chego lá.

Serviço:
Doce de Laura
Rua Aspicuelta, 27
Vila Madalena – São Paulo-SP
Tel.: (11) 3811-9669 / 3624-9616
http://www.docedelaura.com.br/

(Foto: não sobrou um pedaço da torta para contar história (e ser fotografado), então a imagem que ilustra o post é reprodução daqui)

10/12/2010

Nome excelente!

Posted in Por aí tagged , , , , às 11:01 am por Paula R.

Quando crescer, quero ser igual ao Katsuki. Ele sempre viaja e come em lugares incríveis (e tudo de graça, imagino). Essa semana, por exemplo, seu blog traz uma série de posts diretamente de Portugal, com muito vinho e comidinhas apetitosas. E foi de seu Twitpic (@marcelokatsuki) que roubei a foto de hoje. Esse nome “Comer e chorar por mais”, de uma loja no Porto, não é demais?

> Confira os posts d’além mar no Comes e Bebes

(Foto: Marcelo Katsuki)

09/12/2010

Bolacha Maria

Posted in Por aí tagged , , , , às 6:00 pm por Paula R.

Depois de lançar uma linha de roupas inspiradas nos Chicletinhos Adams, o estilista Ronaldo Fraga desenhou uma série de produtos para a Tok & Stok, de copos, canecas, jogos-americanos e guardanapos a almofadas e agendas. As temáticas são bailarinas, docinhos e, a que eu mais gostei, bolacha Maria.

Aliás, quem ainda não sabe o que me dar de Natal, pode comprar esse jogo de porta-copos aí de cima que eu vou amar!

> Veja todos os produtos da linha aqui 

(Foto: reprodução do site da Tok & Stok)

08/12/2010

E você, onde gostaria?

Posted in Bebidas, Sopa de Letrinhas tagged , , , , às 2:51 pm por Paula R.


Quando era pequena, imaginava como seria minha vida se fosse dona da Nestlé. Pensava que poderia comer Danete por horas – com o dedo – e nadar numa piscina de iogurte ou de chocolate quando tivesse vontade. Já na faculdade, meu namorado me confessou que sempre imaginara como seria nadar em um tanque de Coca-Cola.

Também já cheguei a pensar o que faria se ficasse presa à noite dentro de um supermercado. Sempre me via comendo várias coisas e furando com o dedo inúmeras tampas de iogurte e Yakult (Freud explica?). Lembrei de tudo isso por conta de uma notícia que vi esses dias. Ficar presa num pub por oito dias, sem chefes e com comida e bebida à vontade talvez fosse uma boa reedição desses devaneios de criança.

Essa história foi notícia essa semana, quando um grupo de funcionários do pub-pousada Lion Inn, na cidade de Blakey Ridge, norte da Grã-Bretanha, ficou isolado por conta da neve. Além de camas quentinhas, o pessoal tinha TV e internet e ainda conseguia brincar na neve com trenós feitos com caixas de cerveja. Vida dura, hein?

> Leia a matéria completa da BBC Brasil

(Img: clique na imagem para ver a animação. Reprodução daqui. )

Próxima página