31/01/2011

Criatividade a granel

Posted in Por aí tagged , , às 6:03 pm por Paula R.

Olhem o cartão personalizado que o pessoal do trabalho fez para o meu aniversário! Inspiradíssimo no Órfã, não acham? Teve também torta de pecã e presentinhos.

Desse jeito, nem foi tão ruim fazer aniversário numa segunda-feira.

:. Para ver maior, clicar nas imgs. Todos os direitos de @Tais_cp.

27/01/2011

Os robôs também comem

Posted in Filmes/TV tagged , , , , às 11:00 am por Paula R.

> Mais sobre os filmes da saga jedi: Star Wars

:. Via Skull Swap

26/01/2011

Medalha de ouro: YogoSub

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , às 9:31 pm por Paula R.


Para quem segue o blog há um certo tempo, lá por outubro do ano passado, comecei a fazer dieta. Nada radical, apenas escolhendo melhor o que como e reduzindo os excessos. E, devagarinho, já está dando resultados.

Nessas épocas, um dos meus maiores desafios costuma ser driblar a vontade de doces. Comer frutas ao longo do dia e tomar picolés à base de água tem ajudado bastante, mas há horas em que a gente precisa de algo mais “substancioso”. E foi aí que encaixei os sorvetes de iogurte, que têm feito o maior sucesso por aí.

Eles são caros, porém, compensam na baixa caloria por não terem gordura (100 g têm 89 calorias) e no sabor. Já falei do Yogen Früz aqui e também provei o da Yogoberry, mas o meu favorito até o momento é o da YogoSub, franquia lançada pelo restaurante de massas Subito em 2010.

Meu sabor preferido é o natural – que lembra muito o iogurte feito em casa – e não costumo colocar toppings (frutas e confeitos) ou caldas (de frutas caseiras e chocolate). Provei também o de lichia com chá verde, que é bem resfrescante, e o de lemon pie, azedinho e doce ao mesmo tempo. Ainda quero experimentar outros, mas vivo adiando, pois não resisto ao natural. Recomendadíssimo!

Os preços, recém-aumentados, são: R$ 7 (peq), R$ 9 (méd) e R$ 11 (gde) + R$ 1 (cada topping) e R$ 2,50 (caldas).

Serviço:
YogoSub
Av. Paulista, 2.073 (Conj. Nacional)
Bela Vista – São Paulo (SP)
Tel.: (11) 3284-2264

(Foto: divulgação/reprodução do Guia da Folha)

25/01/2011

A evolução dos blogueiros

Posted in Por aí tagged , , às 2:26 pm por Paula R.

Clique na imagem para vê-la grande e conseguir ler as descrições. Olha eu ali de vestidinho azul!

:. Via Flowtown

20/01/2011

Comer e chorar por mais

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , , , , às 11:16 pm por Paula R.

Esse é o nome de um estabelecimento português que bem podia emprestar a alcunha para um que conheci recentemente. Desde que ouvira falar pela primeira vez sobre o Garabed, uma certa aura de mistério rondava o restaurante. Poucas pessoas já tinham ido, diziam que as instalações eram adaptadas à casa da família, que era muito longe…  e todos, sem exceção, teciam elogios à comida. Por estar em Santana , longe do metrô, prolonguei por muito tempo minha visita à casa e morria de inveja quando meu namorado chegava contando que tinha almoçado lá.

Como acabamos passando o Ano Novo em São Paulo, parte da frustração de não viajar foi compensada pelos passeios e restaurantes novos que nos propusemos a conhecer.  Assim, numa segunda-feira chuvosa do início de 2011 – ano em que o restaurante completa 60 anos! –  rumamos para a Zona Norte.

A frente do estabelecimento parece a de uma residência, com grandes portões de garagem cinzas, e as mesas foram dispostas no corredor externo, permeado por escadas, e em dois ou três cômodos no interior. A decoração é simples, com azulejos brancos e piso antigo. No cardápio, itens clássicos da cozinha árabe/armênia e alguns nomes desconhecidos que chamaram a atenção.

De entrada, depois de ficar em dúvida com as opções, escolhi a esfiha fechada de queijo com bastrmá (carne seca armênia) e azeite e a aberta de carne e queijo. Caras? Caríssimas! Entre R$ 6 e R$ 9 cada. Boas? Divinas! Provavelmente as melhores da minha vida. Sem exageros.

De prato principal, acabamos aceitando a sugestão do garçom, que indicou o mais pedido da casa, recém-afamado pela revista Paladar (Estadão): o madzunôv kiofté (quibes redondos recheados com carne e snobar, assados no forno à lenha e cozidos na coalhada, acompanhados de pão sírio). A iguaria saiu por R$ 51, sem ressentimentos. Suave e bem temperado ao mesmo tempo, o prato reuniu com esmero os ingredientes.

A Casa Garabed também funciona como rotisserie, permitindo levar ou encomendar os pratos e esfihas servidos, mas, sinceramente, acredito que o forno à lenha construído na década de 40 faça toda a diferença.


Não resisti a clicar o piso para guardar de referência para a futura reforma da cozinha.

Serviço:
Casa Garabed (Loja 1)
Rua José Margarido, 216, Santana – São Paulo (SP)
(Travessa da Rua Alfredo Pujol, 882)
Tel.: (11) 2976-2750/2979-3943
http://www.casagarabed.com.br/

(Loja 2)
Av. Água Fria, 1342 – Água Fria
Tel.: (11) 2267-1831/2267-1810
Somente para entregas em domicílio e encomendas.

(Fotos: Paula R.)

17/01/2011

Aventuras gastronômicas nº34

Posted in Por aí tagged , , , , às 10:15 pm por Paula R.

Lanchão do Saldanha – Suzano (SP) – Xabu e Renê (2005)

“Lanchão do Saldanha é ‘only for the braves’. Se você quiser matar uma ‘fominha’, esqueça. Se você quiser ‘fazer um lanchicho”‘, esqueça. Agora se você quiser chutar o pau, rasgar o estômago e comer um dos lanches mais viciantes e históricos do pedaço, o lanchão do Saldanha é o caminho. Sem estar falando de sexo, tem que ser macho para comer um Saldanha inteiro (eu não conheço ninguém que conseguiu). Apesar de ser bem saboroso, tem que ser personagem de filme de ação, tipo Duro de Matar, para conseguir colocar 2,5 kg de lanche goela abaixo. O interessante é que a casa diz que se você conseguir comer um inteiro, ganha outro na faixa. Yippie-ki-yay Motherfucker!” (Xabu, esq.)

“Este lanche foi feito para os glutões. É muito saboroso, cheio de gordura, como a gente gosta. Nem eu que adoro sanduíches consigo comer mais de 1/4 deste de tão grande que é. Este é o tipo de lanche que quando você come diz: ‘Nunca mais comerei este lanche na minha vida!’. Mas no dia seguinte, já dá vontade de comer de novo.” (Renê, dir.)

> Já se clicou comendo por aí? Participe da campanha Aventuras Gastronômicas, enviando foto para orfadaofelia@yahoo.com.br com relato sobre o cardápio (o que era, onde comeu, o que achou…).

Momento São Tomé

Posted in Por aí tagged , , , às 3:02 pm por Paula R.

O que você diria de combater a TPM com um chocolate que se come aspirando e tem zero caloria? Dizem que essa maravilha existe e se chama Le Whif. Lançado em Paris em 2009, o produto tem como slogan “Tão doce como chocolate, tão leve como ar” e é vendido em três sabores: chocolate puro, com framboesa e com menta.

O doce foi desenvolvido por um professor de Harvard, David Edwards, que afirma que esse método de degustação espalha partículas de chocolate por toda a boca, não indo direto para a garganta, o que garantiria um sabor mais intenso. A empresa também produz vitaminas e café para serem consumidos do mesmo jeito. Será que funciona? Se alguém já provou, me escreva!

À venda no site www.laboshop.fr ou em lojas na capital francesa.

:. Dica da Ju W.

(Foto: reprodução daqui)

13/01/2011

Ofélia da ficção

Posted in Sopa de Letrinhas tagged , , , às 11:54 pm por Paula R.

Foi com minha mãe que dei meus primeiros passos na cozinha (e é pra ela que, ainda hoje, ligo quando esqueço algum detalhe). Ontem foi seu aniversário e, de presente, resolvi inverter um pouco os papéis e ensiná-la a cozinhar. Não exatamente eu, na verdade, mas a Dona Benta.

O livro “Dona Benta – Comer bem” (2007, Ed. IBEP, 1120 págs.) se inspira na avó e dona do Sítio do Pica-Pau Amarelo, criação de Monteiro Lobato.  Lançado em 1940, o livro teve pesos e medidas adaptados aos dias de hoje, inclusive considerando a existência de eletrodomésticos como freezer e microondas.

No total, são de mais de 1.500 receitas, muitas bem brasileiras como arroz de carreteiro e feijoada, e há capítulos de entradas, salgadinhos, molhos, peixes, massas, doces, salgados… Também foram incluídas 200 sugestões de receitas “contemporâneas” não usuais no anos 40. Em breve, comerei – e testarei – várias delas e venho contar aqui.

Minha única dúvida: no Sítio, não era a tia Anastácia que cozinhava?

(Foto: reprodução do Submarino)

11/01/2011

Mais canecas

Posted in Por aí tagged , , , , às 2:50 pm por Paula R.

Eu já falei das canecas da Vishi Maria aqui, mas o que não contei é que acabei de ganhar uma! Nunca tinha participado desses concursos instantâneos que rolam no Twitter e, numa das primeiras vezes que tentei, ganhei essa caneca do Elvis da @vishimaria. E ela é ainda mais bonita ao vivo!

Por falar no assunto, lembrei de um post que vi num blog com modelos criados pela Designers-Anonymous. As peças são simples, mas muito criativas. Inspiradas em profissões, a do artista plástico vem suja de tinta, a do ilustrador tem uma casca de lápis dentro e por aí vai. Até a inscrição sob a caneca é divertida.

Para comprar:

> Vishi Maria
> Designers-Anonymous (em euro)

(Fotos: reprodução dos respectivos sites)

10/01/2011

Desenhos premiados

Posted in Top 5 tagged , , , , às 11:56 am por Paula R.

No fim do ano, o blog “They draw and cook” realizou um concurso bacana com seus leitores. Dentre os quatro ganhadores, meu favorito foi o terceiro lugar, que achei bem divertido. Destaque também para o quarto premiado, que transforma as receitas em história em quadrinhos e já tinha aparecido por lá outras vezes.

:. Clique nas imagens para ver as receitas ampliadas. 


1º lugar: Daniela Garreton (Chile)


2º lugar: Eliza DeVogel (EUA)


3º lugar: Paula Pertile (EUA) 


4º lugar: Weef (Inglaterra)

> Mais sobre o They draw and cook 

 (Imgs: reprodução do site)

Próxima página