31/10/2011

Registros

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , às 9:45 am por Paula R.

Por incrível que pareça, o taxista que me levou de Betim a Confins, MG, encontrou minha máquina no chão do carro e a enviou pelo correio. Ela já estava velhinha e precisando se aposentar, mas fiquei feliz por conta de alguns registros irrecuperáveis. Com isso, também consegui umas fotos das minhas peripécias pelo Norte de Minas: o almoço “orgânico” preparado no fogão a lenha e acompanhado de suco de coquinho azedo; a melhor rapadura do mundo; e a sorveteria Gosto do Cerrado, onde quis provar (quase) todos os sabores.

(Fotos: Paula R.)

Anúncios

23/10/2011

Frutos da terra

Posted in Sopa de Letrinhas tagged , , , , às 11:46 pm por Paula R.


Uma das coisas que aprendi nessa viagem a Minas é que nem todo mineiro vive de queijo e doce de leite – itens que, pelo que entendi, são coisas do sul do estado. No norte, região do grande sertão (veredas), não faltam café, cachaça e frutos do cerrado. Minha passagem por lá foi marcada por uma visita a um assentamento de terra, onde se pratica agricultura familiar e quase tudo que se come é agroecológico – “orgânico”, como se diz por aqui.

Sinto novamente por ter perdido a máquina com as fotos do almoço delicioso que nos serviram, feito no fogão à lenha. Tinha arroz, feijão, inhame, mandioca, tomate, cenoura e galinha caipira. Tudo produzido lá, com exceção do arroz, que exige muita água para o cultivo – coisa rara naqueles cantos.

Merecem destaque a rapadura da sobremesa, que era úmida e derretia na boca – não parava de comer! – e o suco de coquinho azedo, típico do cerrado. Adorei o sabor da fruta, que não consigo comparar com nenhuma outra para explicar melhor. Se alguém encontrar a polpa congelada, mais do que recomendo.

Foi um almoço inesquecível. Ao redor da mesa com bancos de madeira, paulistas, geraizeiros e caatingueiros comeram bem, discutiram futebol, contaram causos e piadas. E como gostam de uma piada esses sertanejos!

> O coquinho azedo é a butia capitata. Mais aqui e aqui.

(Foto: do Flickr de Luciano R. Ribeiro)

22/10/2011

Gosto do cerrado

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , , , às 4:56 pm por Paula R.

Andei sumida por conta de umas viagens que fiz por Minas Gerais a trabalho. Foi uma viagem de descobertas, que devem render mais de um post por aqui. Infelizmente, por descuido, perdi minha máquina fotográfica e, com ela, inúmeros registros que tinha feito dos lugares, pessoas e comidas que conheci por lá.

Apesar disso, não poderia deixar de falar, por exemplo, da sorveteria Gosto do Cerrado, que fica em Montes Claros, no norte de Minas. Atipicamente, estava frio e a casa vazia e pudemos enlouquecer provando as dezenas de sabores característicos da região e, é claro, ficando na dúvida do que pedir. Para piorar, além das frutas típicas do cerrado, havia opções mais tradicionais que também eram uma delícia.

Como era self service, tentei pegar bolas menores para aumentar a variedade e consegui provar oito sabores. Isso mesmo, senhoras e senhores, oito sabores, em duas etapas. E detalhe: paguei apenas R$ 9,50 no total. Havia opções com zero lactose ou sem açúcar, mas não provei nenhuma, como podem imaginar.

Segue a lista: mangaba, capim santo (é nosso capim cidreira?), queijo com rapadura, queijo com goiabada, café com uísque, chocolate com laranja, mingau de milho e canela. Além deles, degustei com a colherinha direto do pote: pequi, buriti, murici, pinha, manga ubá, manga rosa, coquinho azedo, genipapo, maracujá do mato etc. Foi tanto açúcar de uma vez só, que deu até acesso de riso na gente depois. Essa história de que criança fica agitada com muito doce deve ser verdade.

O site está fora do ar, mas achei esse comercial aqui:

Serviço:
Gosto do Cerrado
Av. Mestre Fininha, 1.180
Centro – Montes Claros (MG)
Tel.: (38) 3222-1180

(Fotos: clique sobre as imgs para saber a origem)

16/10/2011

Fazendo arte

Posted in Aprovados (ou não) tagged , , , , , às 9:58 pm por Paula R.

Na vida de uma pessoa em dieta tem dessas coisas: só hoje abri minha última caixa de chocolate da Páscoa! Ganhei a “Fazendo Arte”, da Cacau Show, em um amigo-secreto por conta da minha afinidade com trabalhos manuais. O kit vem com três barras de chocolate em formato de coelho, ovo e cenoura, acompanhadas de tubos de glacê comestível nas cores branco, laranja e verde.

A ideia é boa e deve ter causado furor com a criançada. O problema é que o glacê não seca nunca e pode terminar em bagunça. Também achei muito glacê para pouco chocolate – usei menos de ¼ de cada tubinho para decorar as peças. Fica-a-dica, Cacau Show.

13/10/2011

Aventuras gastronômicas nº 39

Posted in Por aí tagged , , , às 11:26 am por Paula R.

Paula S. – Embu das Artes (SP) – hamburguer vegano (2011)

“Depois de andar por horas em meio aos artistas, galerias e artesanatos do Embu das Artes, visualizar um banner em uma barraquinha com a frase ‘lanche vegano’ foi como ver um oásis. O lanche é muito gostoso, com molhinhos bem saborosos, uma fatia grossa de tofu temperado, salada e, claro, o hambúrguer vegetal. Para acompanhar, um suco natural de goiaba com amora. Tudo preparado com muito carinho pela família da Damodara, uma chilena super simpática que escolheu o Brasil como sua casa. Apesar de serem lacto-vegetarianos, eles disseram que pretendem adotar a dieta vegana com o tempo. O legal é que já se preocupam em oferecer opções para quem, como eu, não come nada de origem animal, mas adora comer bem.

Se você quiser provar, a barraquinha da Damodara está no centro histórico do Embu aos domingos, durante a feira de artesanatos.
Eles aceitam encomendas e fazem almoço vegetariano também, que pode ser pedido antes por telefone: (11) 8779-1799 ou 4701-5078. O site é
www.shantivegetariano.com.br.”

> Já se clicou comendo por aí? Participe da campanha Aventuras gastronômicas, enviando foto para orfadaofelia@yahoo.com.br com relato sobre o cardápio (o que era, onde comeu, o que achou…)

(Foto: cedida por Paula S.)

12/10/2011

Chocolate

Posted in Filmes/TV tagged , , , , às 1:00 pm por Paula R.

“Chocolate” é um filme que entra em 10 entre 10 listas sobre cinema & gastronomia e ainda não tinha aparecido por aqui, pois queria revê-lo antes de escrever – tinha ido ao cinema na época do lançamento, em 2000/2001, e só nesse final de semana assisti novamente. É doce e reconfortante, digamos, e recomendado para ver com amigas ou num sábado à tarde em que se está sozinha.

Adaptando o livro de Joanne Harris, o diretor sueco Lasse Hallström fez uma comédia romântica com leves pitadas dramáticas a la Festa de Babette e Maleena. A película conta a história de Vianne Rocher, uma mãe solteira com espírito nômade, que chega com sua filha a um vilarejo francês tradicional e dominado pelas regras da igreja – e do conde interpretado por Alfred Molina. A protagonista, composta por Juliette Binoche – linda! –, abre uma loja de chocolates em plena quaresma e começa sua história na comunidade com o pé esquerdo.

O filme é uma ode ao chocolate, seus sabores e propriedades reconfortantes. Vianne é descendente  de maias, tem o dom de adivinhar o chocolate favorito dos clientes e cria combinações inusitadas para o doce. Inevitável ficar com vontade. Também trata de moralismo, tolerância e solidariedade.

Além de Binoche, “Chocolate” tem Judi Dench, Lena Olin e Johnny Depp, que faz um sedutor cigano dos rios.

> Saiba mais sobre o filme.

(Fotos: cenas do filmes reproduzidas daqui e daqui)

08/10/2011

Tico e o pão de nó

Posted in Sopa de Letrinhas tagged , , , , às 10:12 am por Paula R.

Temos entre nossas lembranças alguns pratos inesquecíveis, por terem marcado uma época, uma pessoa, um lugar. Pode ser o bolinho de chuva da mãe, a geleia de morango da avó ou aquele restaurante em que a gente usou talher para peixes a primeira vez. Eu tenho uma coleção desses pratos na minha memória afetiva e vira e mexe falo deles por aqui.

Uma época que marcou a minha infância foi o período em que éramos vizinhos de um garçom da Torre de Pizza, nossa pizzaria favorita em Rio Claro. Magro, com bigode, ele se chamava Tico e tinha duas filhas que viviam brincando em nosso jardim. Quase todos os dias, Tico trazia para casa montes de massa de pizza que sobravam no restaurante e não podiam ser reaproveitados no dia seguinte. Por tabela, ganhávamos também.

A massa vinha em sacos plásticos, macia e inflada, ocupando a prateleira de baixo da geladeira. Acho que tinha entre 5 e 8 anos, não sei ao certo, mas acompanhava tudo de perto. Lembro da minha mãe inventando pratos diferentes para dar conta de tudo aquilo – os rolinhos de salsicha eram meus favoritos! Também lembro de ajudar meu pai a fazer “pão de nó”, uma farra. Demorei anos para descobrir que existia um tal de pão de ló e que ele não tinha nada a ver com os rolinhos de massa em que dávamos nós.

Nunca mais verei o Tico e talvez ele nem imaginasse que tinha marcado uma fase tão gostosa da nossa vida – infância com cozinha cheirando à pizza. Fica aqui o registro e a homenagem.

(Foto: Norman T./stock.xchng)

05/10/2011

Feijoada do Betinho

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , às 2:51 pm por Paula R.

Ainda estou para achar feijoada melhor do que as feitas em casa (por pais, tios, avós…), porém, como nunca me aventurei a fazer o prato, sempre fico de olho nas opções que são oferecidas por aí. A última que testei foi perto do meu trabalho, indicada por uma amiga, e se auto-intitula  “a melhor feijoada da Vila Madalena”.

Se merece a medalha não sei, mas o preço é honesto e o prato bem-feito, acompanhado de bisteca de porco, couve, torresmo e arroz – não tem partes como pé, orelha ou rabo. Sai por R$ 24 a pequena, que dividimos em duas pessoas tranquilamente. Da primeira vez, senti falta da laranja, que é um acompanhamento essencial para mim, mas hoje, no retorno, já tinha.

É uma boa opção de almoço na região, apesar de formar uma filinha de espera – consegui sentar rápido nas duas vezes por estarmos só em duas pessoas. Agora quero voltar para provar o PF com alheira.

O site da casa, que preserva as raízes da internet (old school?), merece uma visita: www.bardobetinho.com.br.

Serviço:
Bar do Betinho
Rua Wisard, 261
Vila Madalena – São Paulo (SP)
Tel.: (11) 3813-4037