30/04/2013

Quem tem boca vai…

Posted in Por aí tagged , , , , , , às 11:32 am por Paula R.

quemtembocavai

… a Roma.  E a Montevidéu, Tel Aviv, Ilha de Marajó, Cairo!

Depois de ter sido eleita pelo Troféu Imprensa como a pior blogueira de 2012, comecei esse ano com fortes indícios de levar o bicampeonato. Ainda não consegui escrever – pasmem –  sobre tudo que queria da viagem Peru-Bolívia, tenho fotos de uns 10 restaurantes novos para fazer resenhas e o Twitter do Órfã está às moscas.

Até deixei passar batido (leia-se: esqueci) o aniversário de 4 anos do Órfã, que foi dia 18 de março! Como tenho os leitores mais compreensivos do mundo, estou tentando me redimir ultimamente. Não percam a fé!

Na listinha de temas pendentes, estava o blog novo de uma amiga também apaixonada pelos prazeres da mesa, Cintia Marcucci. Jornalista (e viajante), ela criou o “Quem tem boca vai…”, que reúne “coisas boas que se come na rua, em restaurantes velhos ou novos, tralha de bar, quitute de supermercado. Tudo o que um dia eu já comi em algum canto do mundo ou do lado de casa mesmo”, segundo suas próprias palavras.

Os textos são bem-humorados e dão boas dicas, inclusive de viagem, mas o que mais me deu água na boca foi o da Sorveteria Rocha, em São Sebastião (não, não são os Sorvetes Rochinha). O de hoje trazia uma homenagem inesperada ao Órfã e este meu post não podia ser mais adiado.

Viva longa e próspera ao QTBV! Nada melhor do que ter mais alguém para trocar figurinhas.

quemtembocavai_2

> Visite: http://quemtembocavai.com/

> E o nosso perfil no Facebook deu um novo ânimo para que eu seja uma blogueira melhor. Já deu um pulo lá?

(Fotos: reproduzidas do blog QTBV)

23/04/2013

Coxinhas de Bueno de Andrada

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , , às 11:49 pm por Paula R.

buenodeandrada1

Sabe quando um lugar fica muito conhecido por um de seus pratos e vira praticamente um ponto turístico? Isso acontece muito em São Paulo, como com as coxinhas do Veloso, o sanduíche de mortadela do Mercadão ou o de pernil do Bar do Estadão. Agora imagine quando uma cidade fica famosa por isso. E esse é o caso de Bueno de Andrada.

O Bar e Mercearia Freitas, que existe há 60 anos no distrito de Araraquara, mudou de nome depois que o escritor Ignácio Loyola Brandão escreveu uma crônica intitulada “As Famosas Coxinhas Douradas de Bueno de Andrada” para o jornal O Estado de S.Paulo, em 2001. O lugar foi rebatizado, com a alcunha Coxinhas Douradas no início do nome, e hoje atrai pessoas de diversas cidades. Eu, por exemplo.

Minha irmã mora em São Carlos e foi ela quem conheceu o restaurante, especializado no meu salgado favorito. Demorei para conseguir conhecer mais do que suas histórias, mas, em janeiro deste ano, reparei o equívoco. Fomos num domingo, como na crônica do Brandão – só não encontrei o sossego descrito. O lugar está famoso.

A receita das coxinhas foi criada há 10 anos pela Sônia, uma das donas do estabelecimento, e é oferecida com recheios variados: frango, quatro queijos, camarão, carne moída, bacalhau, calabresa, entre outros. Sou um pouco conservadora nesse sentido. Para mim, coxinha é de frango e ponto; no máximo com um catupiry fazendo papel de coadjuvante. Mesmo assim, resolvi experimentar a versão de camarão (R$ 6) e a tradicional (R$ 3,50) – pensei em pedir mais uma, mas me alertaram do tamanho. Duas são suficientes para o almoço.

A massa é gostosa, de batata, e o frango muito bem temperado. A de camarão achei inferior, com um recheio um pouco seco – ou talvez seja só o meu tradicionalismo falando. Quero voltar para provar a versão de frango com catupiry e arriscar a de brócolis, que está entre as favoritas das minhas irmãs.

Para quem se animar, se prepare para pegar fila. Nada muito cansativo, mas as filas parecem ser inevitáveis. O lugar é grande, com bastante mesas dentro e fora, ocupando a praça da frente. Grupos de motociclistas e ciclistas batem cartão por lá de fim de semana. Ouvi dizer, inclusive, que alguns apostam corrida; quem chega por último paga a conta.

> Para ler a crônica de Loyola Brandão, clique aqui.

buenodeandrada_2buenodeandrada_3

buenodeandrada_5buenodeandrada_4

Serviço:
Coxinhas Douradas Bueno de Andrada – Bar e Mercearia Freitas
Rua Nilo Rodrigues da Silva, 14
Bueno de Andrada (SP), distrito de Araraquara*
Tel.: (16) 3335-4176
www.coxinhasdouradas.com.br

*Vale registrar que, até o momento, eles não têm filiais (apesar dos “boatos”).

(Fotos: Paula R.)

21/04/2013

Capas de discos – parte 10

Posted in Música tagged , , , , , às 12:30 pm por Paula R.

supertramp-breakfast-in-america_edfreecovers.net

joewoalsh_butseriouslyfolks

1. “Breakfast in America”, Supertramp, 1979.
2. “Green Onions”, Booker T. & the M.G.’s, 1962.
3. “But Seriously, Folks…”, Joe Walsh, 1978.*

Quando criei o Órfã, escolhendo a temática da comida, me desafiei a escrever também sobre outras coisas que gostava, como cinema, artes plásticas e música. Nesta última seção, se encontram letras de canções, produtos patenteados e – entre as minhas favoritas – as capas de discos com inspiração nesse universo. Já estava com saudade.

> Aceito sugestões de capas pelo e-mail orfadaofelia@yahoo.com.br.
> Veja outras compilações aqui.

*Clique para ver em tamanho maior.

20/04/2013

Imagens do dia

Posted in Por aí tagged , , , , às 1:23 pm por Paula R.

Porque a dona desse blog também gosta de fotos.

youaremywild_rymarshall

youaremywild_friedeggfiona

youaremywild_conwayyamw

youaremywild_yamw7isabel

:. Fotos reproduzidas do site You are my wild, que reúne registros que fotógrafos profissionais fizeram de seus próprios filhos. Não é sobre comida, mas dá vontade de ver todas.

(Dica da amiga Carolina M.)

16/04/2013

Quando eu era criança

Posted in Por aí tagged , , , , às 11:59 pm por Paula R.

Quem não sente uma certa nostalgia da “aurora de minha vida, da minha infância querida, que os anos não trazem mais”?. Meu pai sente falta de nadar no rio, eu de brincar de Playmobil e meu sobrinho, provavelmente, um dia vai sentir saudade do Ben 10. Esse tipo de sentimento a gente também nutre pela comida, seja o prato especial que a avó preparava no domingo ou um chocolate que não vende mais.

Minha infância foi passada basicamente nos anos 80 e é essa época que vem sendo retratada no perfil do Facebook “Quando eu era criança”. Pra quem viveu a época vale dar uma passadinha. É quase inevitável não se identificar.

qdoeueracrianca_6qdoeueracrianca_4

qdoeueracrianca_1qdoeueracrianca_2

qdoeueracrianca_3qdoeueracrianca_5

(Imgs: reprodução do perfil do FB)