11/09/2017

Saudade de feijão tem nome?

Posted in Receitas de salgados tagged , , , , , , , , , , , às 6:06 pm por Paula R.

IMG_3246
Feijão em conserva da marca dos supermercados Ahorra Más (Madri, ESP)

Coxinha. Pão de queijo. Requeijão. Muçarela. Doce doce-de-verdade. Mandioca. Pão francês. Suco de fruta natural. Manga. Banana. Pizza boa. Enfim, neste tempo que tenho vivido na Espanha, a listinha de comidas que dão saudade sempre cresce, mas talvez, do dia a dia mesmo, o que eu mais sinta falta seja o feijão.

Não que não exista feijão aqui para comprar – não há o carioquinha nem o preto que estamos acostumados, por exemplo. O que é meio raro encontrar nas casas é panela de pressão; elas são caras e as pessoas não têm o hábito de usá-las, pois muita coisa já se compra cozida. Uma coisa leva a outra e o resultado é que acabo fazendo mais vezes lentilha para acompanhar meu arroz – o que é uma delícia, mas não é feijão.

Muitos grãos e legumes são vendidos já cozidos em vidros por aqui – feijão, lentilha, grão de bico, feijão branco, repolho e até beterraba -, mas confesso que acho meio esquisito. Sempre dou preferência para os itens frescos, mas às vezes me rendo à “alubia canela” um tipo de feijão que acho que se aproxima mais aos nossos.

Cubanos, sul-americanos e africanos

negatomasa_2015
Prato “ropa vieja” do restaurante cubano La Negra Tomasa (Calle de Cádiz, 9, Centro – Madri). O lugar é super turístico, mas o tempero é de vó. 🙂

montagem_aresbrasil_mad2016
Feijoada do Ares Brasil, restaurante brasileiro em Tetuán (Calle de Fereluz, 2 – Madri). A feijoada costuma ser aos finais de semana, mas melhor ligar para reservar.

Foi há pouco mais de 5 anos que descobri que nosso hábito de comer arroz e feijão vem da África. Estava numa Festa do Imigrante, em São Paulo, quando me deparei com um menu angolano de arroz, feijão, picadinho de carne e banana da terra frita e, “plim”, caiu minha ficha!

Como aqui em Madri só conheço um restaurante brasileiro (e que agora está longe de casa), quando a saudade aperta – principalmente de feijão preto -, recorro aos restaurantes cubanos, sul-americanos e africanos que encontro por aí. Os pratos vêm com arroz, carne desfiada, banana, salada… Há neles um certo ar de parcial universalidade, de identificação mesmo, como um elo com certas origens que nada têm a ver com este Velho Mundo. É bom.

Como salvar um feijão em conserva

IMG_3247
Feijão com carne moída virando chili beans.

Para tirar aquele gosto de “comida de bunker de guerra”, seguem algumas dicas para quem quer se arriscar nos feijões prontos:

– Escorrer e lavar os grãos já cozidos.
– Reservar um punhado e adicionar o restante a um refogado de alho, cebola e azeite na panela. Se gostar de bacon, refogar um pouco picadinho, junto com os ingredientes.
– Cobrir com o dobro de água, colocar no fogo médio e adicionar os temperos que está acostumado (sal, pimenta do reino, louro etc.).
– Amassar os grãos reservados e acrescentar à panela. Mexer esporadicamente e deixar abrir fervura para engrossar o caldo e fixar os temperos.

> Para quem tem panela de pressão, a receita de feijão está aqui.
> Com feijão cozido dá para fazer chili!

*** Dedicado a todos meus amigos brasileiros, que estão por perto nesta loucura que é  viver longe de casa.

Fotos: Paula R./ Órfã da Ofélia

Anúncios

27/08/2017

Café espanhol: tostada com tomate

Posted in Receitas de salgados tagged , , , , às 9:33 am por Paula R.

tostada_ago17
Café da manhã de hoje. (Foto escura, pois o sol deu uma trégua)

:. Fácil (facílimo, na verdade)

Ingredientes:
Baguete, bengala ou barra (na Espanha)
Tomate (1 tomate grande por pessoa)
Azeite
Sal

Modo de preparo:
– Pré-aqueça o forno, corte o pão em pedaços de um palmo aproximadamente e, em seguida, ao longo do comprimento. Leve ao forno para uma leve tostada, deixando crocante por fora e macio por dentro.
– Corte uma tampinha de um dos lados do tomate e rale no furo grosso do ralador. No final, só sobrará a casca na mão (É possível bater no liquidificador, mas eu prefiro ralado).
– Para servir: coloque um fio de azeite sobre o pão quentinho, unte com o tomate ralado e finalize salpicando sal a gosto. Sim, combina com café com leite!

Historinha…
Quando me mudei para Madri, sentia uma falta imensa do café da manhã brasileiro. Não tinha pão francês, pão de queijo, nem requeijão ou pão na chapa. O que eles costumavam comer de manhã eram churros com chocolate quente (um dia posto sobre isso) e tostada com tomate e café com leite, que eu torcia o nariz sem entender como uma coisa poderia combinar com a outra. Até o dia em que uma amiga me convidou para tomar café no centro, da maneira espanhola, e eu saí do apaixonada. Tostada com tomate é leve, saudável, alimenta e é facinho de fazer! Também tem a versão de pão tostado com manteiga e geleia por cima.

tostada2_ago17

18/05/2013

Angu

Posted in Receitas de salgados tagged , , , , , , às 11:29 pm por Paula R.

IMG_4068

:. Fácil – Porção para 3 pessoas

Ingredientes:

1  L de água
1 copo de fubá (farinha de milho)
Azeite, sal e um dente de alho (ou um cubo de caldo de carne)
150 g de mussarela fatiada ou ralada
400 g de carne moída
½ calabresa defumada fatiada
1 lata de molho de tomate (ou molho caseiro de tomates frescos)
Cebola a gosto
Temperos para carne (ervas, tempero pronto, salsinha, alho…)

Modo de preparo:

– Leve a calabresa fatiada ao fogo médio, refogando até soltar um pouco de gordura. Acrescente a cebola picada e frite por alguns minutos.
– Adicione a carne moída à panela, juntamente com duas pitadas de sal e um pouco de tempero a sua escolha (tempero pronto, ervas, pimenta…). Mexa esporadicamente, mantendo a panela tampada a maior parte do tempo para cozinhar mais rápido.
– Prove para conferir o ponto de cozimento e de sal. Quando a carne estiver cozida, acrescente o molho e deixe mais um pouco em fogo baixo para que o molho pegue o sabor da carne. Confira se não é preciso adicionar mais sal. Reserve.
– Em outra panela, acrescente a água, o dente de alho inteiro (sem casca), um fio de azeite e uma colher (sobremesa) rasa de sal. Se preferir, adicione um cubo de caldo de carne. Leve ao fogo até ferver.
– Dilua o fubá com água em temperatura ambiente, mexendo até formar uma pasta.
– Retire o dente de alho da água fervente e acrescente a pasta de fubá aos poucos. Coloque o fogo no mínimo, mexendo até dar ponto no angu. É possível acrescentar mais água ou mais pasta de fubá para alcançar a textura desejada, mais ou menos mole respectivamente.

Modo de servir:

– Levar as panelas de angu e de carne com molho quentes à mesa.
– No próprio prato, cada pessoa pode se servir dos ingredientes na seguinte ordem: uma concha de angu, uma ou duas fatias de mussarela, outra concha de angu e, por cima, a carne.
– Se preferir, acrescente a mussarela na própria panela de angu assim que desligar do cozimento. Mexa bem para o queijo derreter uniformemente.
– Detalhe: comer de colher!

Nota: a carne ensopada pode ser frango (em pedaços ou desfiado), miúdos ou carne de panela, conforme o gosto do freguês. Uma opção vegetariana pode ser preparada com refogado de cogumelos, que também fica uma delícia!

:. Historinha…

Nossa, como fazia tempo que eu não postava uma receita por aqui! Acho que é sinal de que não tenho inovado muito na cozinha – não gostei do pavê que tentei no Reveillon, por isso ele nem apareceu no blog.
O angu é um prato típico dos escravos, que o preparavam acompanhado de miúdos e carne seca. O angu é “parente” de outras receitas igualmente populares no Brasil até hoje, como a polenta (prato italiano) e do pirão, feito com farinha de mandioca.
Há tempos estava com vontade de comer angu, um prato que me lembra muito a minha infância. Minha mãe o preparava geralmente acompanhado de coxas de frango ensopadas e eu adorava brincar com o fio de queijo derretido que se forma a cada bocado. Me dei conta de que nunca tinha feito angu, apesar da simplicidade da receita e, nesse sábado, liguei para minha mãe para anotar o passo a passo. Deu certo de primeira e casou perfeitamente com o friozinho que está fazendo em São Paulo por esses dias.

(Foto: Paula R. A fumaça de calor até embaçou o prato!)

:. Você já segue o Órfã no FB? Lá tem posts e umas cositas más.

27/08/2012

Gravlax de salmão

Posted in Receitas de salgados, Sopa de Letrinhas tagged , , , , às 4:31 pm por Paula R.

Não é todo dia que seu amigo que escreve sobre informática (esse termo ainda se usa?) aparece numa matéria ensinando uma receita de salmão. A ideia era testar um prato do livro Cooking fo Geeks, de Jeff Potter (2010, Ed. O’Reilly), que traz receitas práticas e curiosidades sobre esse universo que podem interessar aos “nerds”, como informações técnicas e origens históricas.

O gravlax de salmão parece ser bem interessante e fácil, mas vale ressaltar que precisa ficar 24 horas na geladeira antes de servir para pegar bem o tempero. O prato tem origem escandinava e quem não tem o livro do Potter pode saber mais aqui.

Os ingredientes são:
Posta de salmão de 450 g
5 colheres (chá) de sal grosso
1 colher (sopa) de açúcar
3 colheres (sopa) de endro fresco (ou coentro)
1 colher (sopa) de vodka
1 colher (chá) de pimenta do reino
Plástico filme


Misture os ingredientes numa vasilha e acomode a posta de salmão sobre um pedaço de plástico filme.


Espalhe a mistura sobre o salmão e embale.


Deixe na geladeira de 24 a 36 horas – Aliás, que geladeira, hein? -, virando esporadicamente para o tempero ficar mais uniforme. Fatie na hora de servir.

> Fica mais simples ainda vendo o vídeo do portal da revista Info.
> Para saber mais, uma entrevista com o autor na Abril e a página oficial do livro.

:. Special thanks to Juliano B.

(Fotos: prints do vídeo da Info)

20/07/2012

Dia 22*: Creme de ricota

Posted in Receitas de salgados tagged , , , às 11:21 pm por Paula R.

:. (Ultra) Fácil – Porção para a semana (1 a 2 pessoas)
:. Receita da Milena M.

Ingredientes:

400 g de ricota
1 copo de água
Sal

Modo de preparo:

– Pique a ricota e leve ao liquidificador para bater com a água. Coloque o líquido aos poucos até ficar na consistência que preferir.
– Com o creme ainda batendo, adicione duas pitadas de sal.
– Guarde num pote de vidro limpo e seco na geladeira.

Nota: me recomendaram também a versão com ervas, mas ainda não testei.

:. Historinha…

Como já falei por aqui, uma das maiores dificuldades dessa dieta restritiva vinha sendo comer pão seco. Com margarina, requeijão, maionese, catchup e mostarda proibidos, acabava apelando para o azeite ou queijo branco derretido. Também me aventurei nos doces caseiros e no antepasto de abobrinha, mas a dica de uma amiga – e fiel leitora do blog – foi o que realmente revolucionou meu dia a dia. Esse creme de ricota é gostoso e “molhadinho”. E fez minha vida um pouco mais feliz.

(Foto: Gerla Brakkee/stock.xchng)

*Contagem da dieta antialérgica. Mais aqui e aqui.

08/07/2012

Dia 10*: Antepasto de abobrinha

Posted in Receitas de salgados tagged , , , , às 2:15 pm por Paula R.

:. Fácil – Porção para 8 pessoas

Ingredientes:

2 abobrinhas italianas
2 dentes de alho
Ervas (orégano, salsa, cominho, alecrim)
Pimenta calabresa desidratada
Azeite extra virgem
Sal

Nota: usei um mix de temperos italiano que comprei no Mercadão.

Modo de preparo:

1. Lave e fatie as abobrinhas em rodelas bem finas (entre 1 e 2 mm).
2. Numa panela, refogue o alho picado ou passado no espremedor em um fio de azeite. Quando começar a dourar, acrescente a abobrinha.
3. Adicione duas colheres (café) de sal, um punhado das ervas e uma pitada pimenta.
Nota: o tempero é sempre ao gosto do freguês, mas, na dúvida da quantidade, use menos e depois acrescente mais conforme for experimentando.
4. Adicione fios de azeite sobre todo o conteúdo da panela e mexa bem.
5. Coloque em fogo médio e tampe, mexendo periodicamente até a abobrinha ficar bem mole. Prove para verificar se ficou bom de sal, temperos ou azeite.
Nota: determinei minha medida de azeite quando levantei uma rodela de abobrinha com o garfo e ela estava pingando.

Sugestão: comer frio, com pão italiano.

:. Historinha…

Nossa, como fazia tempo que eu não postava uma receita por aqui! Com a criatividade exigida pela dieta restritiva, essa seção deve se aquecer por esses tempos. Para não recusar o convite de uma amiga, fui jantar na casa dela no final de semana e preparei meus próprios comes. É claro que facilita ter uma certa intimidade com a anfitriã, pois tive total liberdade para fazer suco de laranja e brusquetas de queijo branco e assim pude me divertir com todo mundo. Também levei um antepasto de abobrinha que inventei em casa e deu certo. Como não tenho alternativa de produtos para passar no pão, o doce de banana caseiro e agora esse antepasto estão me salvando a vida.

*Contagem da dieta antialérgica. Mais aqui e aqui.

28/09/2011

Dicas práticas: alho & cebola

Posted in Receitas de salgados tagged , , , , às 12:00 pm por Paula R.

Seja pelo cheiro forte (e persistente) ou por nos fazer chorar, lidar com alho e cebola costuma ser um desafio na hora de cozinhar. Hoje uma amiga compartilhou esse vídeo da revista Saveur ensinando a descascar uma cabeça de alho em menos de 10 segundos, que eu adorei.

Já tinha os meus truques, mas todos terminavam com o dente de alho levemente esmagado, o que pode atrapalhar em algumas receitas. Seguem outras dicas que podem ajudar:

Para descascar alho

  • Colocar o dente no espremedor de alho, apertando levemente (sem fazer com que o conteúdo passe pelos furinhos). Isso vai descolar a casca, que sai inteira ao puxar.
  • Outra opção para o mesmo efeito: apertar o dente de alho com a lateral da faca (a parte plana) sobre uma superfície plana.
  • Para dentes de alho inteiros, seguir a dica do vídeo: esmurrar a cabeça de alho contra uma superfície plana, colocar o conteúdo dentro de uma bacia, tapá-la com outra bacia igual e chacoalhar com movimentos de sobe-e-desce.
  • No caso de manusear o alho e ficar com cheiro na pele, a dica é evitar o atrito. Portanto, lave as mãos em água corrente, sem esfregá-las ou usar sabão.

Para picar cebola

  • Picar uma cebola com um fósforo ou vela acesos próximos ao local.*

*Quando eu criança, meu tio Caio, que era biólogo, cortava cebola com uma vela acesa. A cena era inusitada e lembro de um dia ele me explicar que o fogo queimava o gás liberado pela cebola e que, em contato com a lágrima dos olhos, reagia formando ácido sulfúrico. Parece mentira, mas a Wikipedia está aí para confirmar. E eu geralmente uso a técnica e funciona mesmo.

18/05/2011

Tempero caseiro

Posted in Receitas de salgados tagged , , , , às 11:25 pm por Paula R.


:. Fácil – Porção para aproximadamente 15 dias

Ingredientes:

2 cebolas grandes
6 dentes de alho
1 maço de cheiro verde
1 colher (sopa) de azeite extra-virgem
1 colher (café) de sal
1 recipiente com tampa, limpo e bem seco (de preferência de vidro)

Nota: é possível acrescentar outros temperos à sua escolha como ervas finas, orégano, manjericão e pimenta, entre outros.

Modo de preparo:

– Descasque a cebola e o alho e pique em rodelas ou pedaços.
– Lave o cheiro verde e coloque no liquidificador com a cebola e o alho. Adicione o azeite e o sal.
– Bata até obter uma massa com consistência de tempero. Se as lâminas estiverem batendo com dificuldade, adicionar água aos pouquinhos, tomando cuidado para não deixar  muito líquido.
– Armazenar o creme no recipiente bem fechado com tampa e guardar na geladeira.

Nota: nessa receita, a quantidade de sal é pequena mesmo, apenas para ajudar a conservar o tempero. O sal das receitas deve ser acertado durante seu preparo.

:. Historinha…

Como já falei por aqui, sou adepta do Receita de Casa, mas nunca esqueci do tempero batido que minha avó preparava – na faculdade até ganhei um ou outro vidrinho para levar para a república. Essa semana minha amiga Milena, uma das maiores incentivadoras desse blog, me mandou a receita aí de cima e pretendo testar assim que fizer feira. Além de ser super prático e agradar àqueles que não gostam de mastigar ingredientes como cebola, esse tipo de tempero é mais saudável, pois não tem alto teor de sódio como a maioria dos industrializados.

(Foto: Zsuzsanna Lilian/stock.xchng)

24/04/2011

Bacalhau de forno

Posted in Receitas de salgados tagged , , às 9:27 pm por Paula R.


:. Fácil/Médio – Porção para 4 pessoas

Ingredientes:

1 kg de filé de bacalhau salgado
2 batatas grandes
2 tomates
2 cebolas
4 ovos cozidos
20 azeitonas chilenas pretas
Azeite para cozinhar
Sal

Modo de preparo:

– Lave o excesso de sal do peixe e deixe de molho numa vasilha funda por 10 minutos. Troque a água e leve à geladeira. Troque a água três vezes ao dia, por dois dias.
– Corte o bacalhau em postas e acomode no refratário que irá ao forno, salpicando sal dos dois lados. Regue com azeite em abundância.
– Descasque as batatas, corte em fatias de um dedo de largura e adicione à forma. Coloque algumas sob as postas também.
– Pique o tomate em pedaços grandes (em oito partes, por exemplo) e espalhe pela forma. Espalhe as azeitonas.
– Corte as cebolas em quatro partes – corte logitudinal – e solte as “pétalas”, levando à travessa. Salpique sal pelos legumes e regue com mais azeite.
– Leve ao forno médio/alto por, no máximo, 1 hora.
– Descasque e fatie os ovos cozidos, espalhando sobre sobre o prato na hora de servir.

Nota: meu forno anda meio esquisito e achei que algumas partes que ficaram para fora do azeite (e da água que o peixe solta) ressecaram levemente. Da próxima vez, vou usar papel alumínio para fechar a forma.

:. Historinha…

Acabei de me dar conta que essa semana foi dedicada aos peixes por aqui. Teve filé de merluza, pastel de bacalhau no Mercadão, almoço no Nandemoya e, pra finalizar, hoje fiz minha primeira bacalhoada. Aproveitei a visita ao Mercado Municipal no feriado para garimpar uma bandeja de 1,5 kg do peixe badalado (R$ 55) e resolvi me aventurar. Depois de dois dias dessalgando a carne, segui a receita que minha sogra, nascida em Portugal, me ensinou por telefone. E não é que deu certo? Não usei as partes mais finas da carne na receita; reservei, aferventei e desfiei para arriscar um bolinho ou escondidinho nos próximos dias.

(Fotos: Paula R.)

18/04/2011

Peixe com batatas

Posted in Receitas de salgados tagged , , , às 3:52 pm por Paula R.

:. Fácil – Porção para 4 pessoas

Ingredientes:

3 filés de merluza (ou pescada) grandes
2 ou 3 batatas grandes
2 tomates
2 limões
½ cebola
2 dentes de alho
Sal

Modo de preparo:

– Tempere os filés com pitadas de sal e o caldo dos limões. Reserve.
– Descasque as batatas, corte em rodelas de um dedo de grossura e acomode no fundo do refratário.
– Acomode os filés sobre as batatas.
– Bata no liquidificador a cebola e o alho e espalhe sobre os filés.
Nota: como eu não tinha cebola e alho em casa, usei uma colher de sopa do tempero pronto diluído no limão e temperei no primeiro passo da receita. Antes dos tomates, salpiquei o “tempero para peixes” que comprei no Mercadão.
– Cubra o peixe com fatias de tomate e finalize com um fio de azeite por cima.
– Cubra a forma com papel alumínio e asse em fogo médio de 20 a 30 minutos. Como a temperatura costuma variar de forno para forno, é bom ficar de olho na batata, espetando-a com um garfo.
Nota: filés congelados soltam água suficiente para cozinhar a batata. Caso o peixe esteja descongelado, adicionar meio copo de água.
– Retire o papel alumínio e deixe no forno por mais alguns minutos para secar o caldo.

:. Historinha…

Nem lembro qual foi a última vez que fiz peixe em casa, excluindo receitas que levam atum ou sardinha em lata. Para falar a verdade, nem tenho certeza se já fiz alguma. Como ando nessa onda de alimentação mais saudável (e dieta), pedi pra minha irmã caçula me passar uma de suas receitas – uma bem fácil para não ter como errar. Ficou bem bom. Sugestão de acompanhamento: molhinho de mostarda (leia-se mostarda com maionese), arroz branco e brócolis no alho.

(Foto: Luca Baroncini/ stock.xchng)

Próxima página