30/09/2013

Doug Bloodworth

Posted in Artes Plásticas tagged , , , , , , , , , , às 2:27 pm por Paula R.

Doug_Bloodworth_2

Depois que criei um perfil para o Órfã no Facebook, percebi dois efeitos colaterais: 1. Fiquei com a consciência mais tranquila, pois é mais fácil compartilhar links e fotos; 2. Estou mais desleixada ainda com as atualizações por aqui. Uma coisa pode ter levado a outra no melhor estilo “Tostines é fresquinho por que vende mais ou vende mais por que é fresquinho?”.

Hoje vi uma postagem no site Idea Fixa sobre o artista Doug Bloodworth e resolvi dar um basta nesse ciclo e fazer um post. Ei-lo! Particularmente, prefiro pinturas e ilustrações que retratem o mundo (e sentimentos) pela ótica do artista a reproduções quase fotográficas, mas não tenho como negar que algumas obras de hiper-realismo são mesmo impressionantes.

Nascido em 1957, Bloodworth é um pintor norte-americano, que se dedica a quadros de natureza morta nesse estilo e explora temáticas ligadas à sua infância: gibis, jogos de tabuleiro, bolinhas de gude, cowboys, super-heróis e também muitas guloseimas, balas, bolachas, geleias, salgadinhos, tortas, copos de leite (com Quick de morango!)…

Não consegui descobrir muita coisa sobre ele na internet, mas dá para encontrar diversas galerias que vendem suas obras.  Segundo o Facebook com seu nome, seu site oficial é www.photorealism.com.

Doug_Bloodworth_3

Doug_Bloodworth_1

Doug-Bloodworth_5

Doug_Bloodworth-sour-keys-and-friends

:. Conheça também o trabalho de Ralph Goings e Tjalf Sparnaay.

(Fotos: reproduções daqui, daqui e daqui)

16/04/2013

Quando eu era criança

Posted in Por aí tagged , , , , às 11:59 pm por Paula R.

Quem não sente uma certa nostalgia da “aurora de minha vida, da minha infância querida, que os anos não trazem mais”?. Meu pai sente falta de nadar no rio, eu de brincar de Playmobil e meu sobrinho, provavelmente, um dia vai sentir saudade do Ben 10. Esse tipo de sentimento a gente também nutre pela comida, seja o prato especial que a avó preparava no domingo ou um chocolate que não vende mais.

Minha infância foi passada basicamente nos anos 80 e é essa época que vem sendo retratada no perfil do Facebook “Quando eu era criança”. Pra quem viveu a época vale dar uma passadinha. É quase inevitável não se identificar.

qdoeueracrianca_6qdoeueracrianca_4

qdoeueracrianca_1qdoeueracrianca_2

qdoeueracrianca_3qdoeueracrianca_5

(Imgs: reprodução do perfil do FB)

17/11/2011

Memorabilia

Posted in Por aí tagged , , , às 3:39 pm por Paula R.

Delícia deparar com essa foto no Twitter e dar uma fugidinha rápida à infância no meio da tarde. Eu e minhas irmãs tínhamos os talheres e o pratinho quadrado, que acompanhava o jogo. As colheres ainda sobrevivem e sempre que vou comer sobremesa na casa dos meus pais dou um jeito de pegá-las; têm o tamanho ideal para iogurtes, pudins e sorvetes.

(Também estão por lá umas colheres tortas para dar papinha para bebês, mas acho que não eram práticas nem na época.)

(Foto: Rafael Mantesso, do Mkt na Cozinha, via @rafaelmantesso)

08/10/2011

Tico e o pão de nó

Posted in Sopa de Letrinhas tagged , , , , às 10:12 am por Paula R.

Temos entre nossas lembranças alguns pratos inesquecíveis, por terem marcado uma época, uma pessoa, um lugar. Pode ser o bolinho de chuva da mãe, a geleia de morango da avó ou aquele restaurante em que a gente usou talher para peixes a primeira vez. Eu tenho uma coleção desses pratos na minha memória afetiva e vira e mexe falo deles por aqui.

Uma época que marcou a minha infância foi o período em que éramos vizinhos de um garçom da Torre de Pizza, nossa pizzaria favorita em Rio Claro. Magro, com bigode, ele se chamava Tico e tinha duas filhas que viviam brincando em nosso jardim. Quase todos os dias, Tico trazia para casa montes de massa de pizza que sobravam no restaurante e não podiam ser reaproveitados no dia seguinte. Por tabela, ganhávamos também.

A massa vinha em sacos plásticos, macia e inflada, ocupando a prateleira de baixo da geladeira. Acho que tinha entre 5 e 8 anos, não sei ao certo, mas acompanhava tudo de perto. Lembro da minha mãe inventando pratos diferentes para dar conta de tudo aquilo – os rolinhos de salsicha eram meus favoritos! Também lembro de ajudar meu pai a fazer “pão de nó”, uma farra. Demorei anos para descobrir que existia um tal de pão de ló e que ele não tinha nada a ver com os rolinhos de massa em que dávamos nós.

Nunca mais verei o Tico e talvez ele nem imaginasse que tinha marcado uma fase tão gostosa da nossa vida – infância com cozinha cheirando à pizza. Fica aqui o registro e a homenagem.

(Foto: Norman T./stock.xchng)

05/09/2011

Aventuras gastronômicas nº 37

Posted in Por aí tagged , , , , às 5:07 pm por Paula R.


Carol M., Taís C. e Franklin F. – São Paulo (SP) – Sucos coloridos (2011)

“Olhei para o lado e lá estavam os carrinhos, telefones e bichos coloridos da minha infância chamando minha atenção! Não pensei duas vezes e resolvi levar essa lembrança recheada de anilina para todos do meu trabalho. Escolhi os meus preferidos: uva, morango e tutti frutti. Estava curiosa para saber se o sabor seria o mesmo e hoje, ao tomar com a galera, descobri que nada mudou… Bom, pelo menos dentro da embalagem, porque em mim, ‘quanta diferença’!” (Taís)

> Já se clicou comendo por aí? Participe da campanha Aventuras gastronômicas, enviando foto para orfadaofelia@yahoo.com.br com relato sobre o cardápio (o que era, onde comeu, o que achou…)

> Veja quem já apareceu por aqui.

(Fotos: Paula R.)