17/10/2015

Abrindo os trabalhos

Posted in Pratos/restaurantes tagged , , , , às 4:33 pm por Paula R.

IMG_2410

Era alguém que gostava de comer bem que inventou essa história de iniciar uma refeição com antepastos. Na Itália, as variedades são tão elaboradas que eu poderia viver apenas disso – na verdade, já pensava isso nas cantinas de São Paulo!

Há opções de carnes frias, saladas (inclusive de macarrão), azeitonas, corações de alcachofra, cogumelos, berinjela à parmigiana, mini pizza frita, vegetais empanados, queijos variados, quente e frios, e, claro, os embutidos – o prosciutto crudo, tipo de presunto curado sem cozimento, é mesmo uma coisa divina! Tudo acompanhado de muito pão italiano, que, na Itália, eles chamam apenas de “pão”. (Desculpem, não resisti à piadinha.)

Para ilustrar o post sobre essa maravilha da culinária local, escolhi falar da Osteria San Rocco, na cidadezinha de Frascati, vizinha de Roma. O restaurante tem mesas compridas no meio de uma praça e a gente come vendo os prédios antigos, as árvores e sob a luz amarela dos postes antigos ou dos fios com pequenas lâmpadas, que condizem com meu imaginário sobre estabelecimentos italianos.

Este foi o primeiro dia que saímos para comer e, também, que ficamos assombrados com as enormes quantidades de comida. O prato de antepastos era tão elaborado e saboroso, que eu simplesmente não consegui comer a massa à matricciana que pedi. Até tentei dar umas garfadas, mas, se continuasse, passaria mal. Há tempos não sentia essa sensação de “não consigo ver comida na minha frente”.

A partir desse dia, passamos a pedir antepastos para dividir.

osteria_sanrocco
A mesa charmosa no meio da praça e o prato de massa que eu desperdicei.

Osteria San Rocco

Piazza San Rocco
V. Cadorna – Frascati (ITA)
Site aqui.

(Foto: Paula R.)

20/09/2015

Ah, Itááália!

Posted in Por aí tagged , , , às 7:49 pm por Paula R.

montagem_italia_set15

A exclamação, que se tornaria celebre na voz do Vanucci quando da vitória da “squadra azzurra” na Copa de 2006, é a primeira que me vem à cabeça quando penso em fazer o post de estreia sobre minhas férias na Itália. Sei que deixei um buraco enorme nos registros espanhóis, mas peço licença para dar a vez à culinária do Lácio, região onde fica Roma. A vida dá suas voltas.

Talvez os especialistas digam que a Itália não tem os pratos mais elaborados, os sabores mais desafiadores ou a etiqueta mais refinada à mesa, mas a verdade é que não tem para ninguém: não comi mal uma vez sequer nos 10 dias que estive por lá! Podia ser no café da manhã em casa, no salgado da lanchonete, no restaurante do ponto turístico ou nas melhores indicações dos próprios moradores, sempre saía mais do que satisfeita.

Claro que, como descendente de italianos, a culinária sempre me foi familiar e tem, inclusive, apelo sentimental. Porém, nunca tinha visto uma sociedade em que a comida é levada tão a sério. As refeições, os horários, as reuniões familiares, o modo de preparo e a qualidade dos ingredientes são assuntos com os quais simplesmente não se brinca.

Não à toa a Itália sediou a primeira parte do livro “Comer, rezar e amar”, mesmo com tantas igrejas por lá. Confesso que senti uma certa responsabilidade em escrever pela primeira vez sobre a comida dos meus bisavós (e dos antepassados de quase metade das pessoas que conheço), mas eu precisava começar de alguma maneira.

Nos próximos posts, falarei um pouco mais sobre os pratos aí de cima e sobre as curiosidades que me deparei in loco. Faz cinco dias que voltei para a Espanha e já sinto saudade. Um dia ainda volto.

(Fotos: Paula R.)

08/04/2014

Tutti frutti

Posted in Artes Plásticas tagged , , , , , às 10:28 pm por Paula R.

cristina_otero

A imagem do dia faz parte de um ensaio da fotógrafa espanhola Cristina Otero em que modelos contracenam com frutas. Essa é minha foto favorita.

> Veja mais no Catraca Livre. O Flickr da moça é esse aqui.

17/06/2012

Aventuras gastronômicas nº 44

Posted in Por aí tagged , , às 9:45 pm por Paula R.


Juliana W. – Roma (ITA) – chocolate quente (2011)

“Segue uma foto que fiz em dezembro passado, como contribuição pro Órfã, de uma das melhores coisas que eu já experimentei na vida. É um chocolate quente feito por uma chocolateria chamada Said, em Roma. O espaço foi aberto em 1923 como fábrica de chocolate e, de alguns anos para cá, depois de uma reformulação, passou a funcionar como restaurante e delicatessen especializada em chocolates finos. Estive lá duas vezes, uma para provar o chocolate quente (que caiu perfeito numa noite gelada do final de ano) e outra para jantar, me surpreendendo positivamente também com os pratos salgados.

O restaurante e a loja de chocolates ficam meio escondidos nos fundos de um corredor forrado de heras e, uma vez ‘descoberto’, chega-se a um ambiente bem charmoso – toda a decoração remete à antiga fábrica de chocolate, tema que eles levaram também para o site (www.said.it), que embora “em construção”, já tem informações sobre a história e o estilo do lugar. Com certeza estará incluído na lista de endereços imperdíveis se um dia eu tiver que guiar alguém num tour pela cidade. O chocolate da foto é feito nas versões amargo, ao leite ou com pimenta.”

> O título desse post também poderia ser algo como “Eu quero!”. Para quem ficou com vontade, pode se arriscar a fazer uma dessas receitinhas daqui.

10/03/2010

Aventuras gastronômicas nº11

Posted in Por aí tagged , , , , às 2:24 pm por Paula R.

Lasanha a bolonhesa – Roma (ITA) – Fabiana B. (2009)

“Não lembro o nome do restaurante, mas ficava em uma travessa da Piazza Navona, uma praça rodeada por restaurantes e artistas e onde se localiza a embaixada brasileira. Experimentei uma lasanha a bolonhesa e tenho que confessar que já comi melhores aqui no Brasil. Talvez seja só uma questão de não ter escolhido o lugar certo, mas, depois de um dia todo caminhando e conhecendo a cidade, foi até onde conseguimos chegar rsrs.”

> Participe da campanha