18/05/2013

Angu

Posted in Receitas de salgados tagged , , , , , , às 11:29 pm por Paula R.

IMG_4068

:. Fácil – Porção para 3 pessoas

Ingredientes:

1  L de água
1 copo de fubá (farinha de milho)
Azeite, sal e um dente de alho (ou um cubo de caldo de carne)
150 g de mussarela fatiada ou ralada
400 g de carne moída
½ calabresa defumada fatiada
1 lata de molho de tomate (ou molho caseiro de tomates frescos)
Cebola a gosto
Temperos para carne (ervas, tempero pronto, salsinha, alho…)

Modo de preparo:

– Leve a calabresa fatiada ao fogo médio, refogando até soltar um pouco de gordura. Acrescente a cebola picada e frite por alguns minutos.
– Adicione a carne moída à panela, juntamente com duas pitadas de sal e um pouco de tempero a sua escolha (tempero pronto, ervas, pimenta…). Mexa esporadicamente, mantendo a panela tampada a maior parte do tempo para cozinhar mais rápido.
– Prove para conferir o ponto de cozimento e de sal. Quando a carne estiver cozida, acrescente o molho e deixe mais um pouco em fogo baixo para que o molho pegue o sabor da carne. Confira se não é preciso adicionar mais sal. Reserve.
– Em outra panela, acrescente a água, o dente de alho inteiro (sem casca), um fio de azeite e uma colher (sobremesa) rasa de sal. Se preferir, adicione um cubo de caldo de carne. Leve ao fogo até ferver.
– Dilua o fubá com água em temperatura ambiente, mexendo até formar uma pasta.
– Retire o dente de alho da água fervente e acrescente a pasta de fubá aos poucos. Coloque o fogo no mínimo, mexendo até dar ponto no angu. É possível acrescentar mais água ou mais pasta de fubá para alcançar a textura desejada, mais ou menos mole respectivamente.

Modo de servir:

– Levar as panelas de angu e de carne com molho quentes à mesa.
– No próprio prato, cada pessoa pode se servir dos ingredientes na seguinte ordem: uma concha de angu, uma ou duas fatias de mussarela, outra concha de angu e, por cima, a carne.
– Se preferir, acrescente a mussarela na própria panela de angu assim que desligar do cozimento. Mexa bem para o queijo derreter uniformemente.
– Detalhe: comer de colher!

Nota: a carne ensopada pode ser frango (em pedaços ou desfiado), miúdos ou carne de panela, conforme o gosto do freguês. Uma opção vegetariana pode ser preparada com refogado de cogumelos, que também fica uma delícia!

:. Historinha…

Nossa, como fazia tempo que eu não postava uma receita por aqui! Acho que é sinal de que não tenho inovado muito na cozinha – não gostei do pavê que tentei no Reveillon, por isso ele nem apareceu no blog.
O angu é um prato típico dos escravos, que o preparavam acompanhado de miúdos e carne seca. O angu é “parente” de outras receitas igualmente populares no Brasil até hoje, como a polenta (prato italiano) e do pirão, feito com farinha de mandioca.
Há tempos estava com vontade de comer angu, um prato que me lembra muito a minha infância. Minha mãe o preparava geralmente acompanhado de coxas de frango ensopadas e eu adorava brincar com o fio de queijo derretido que se forma a cada bocado. Me dei conta de que nunca tinha feito angu, apesar da simplicidade da receita e, nesse sábado, liguei para minha mãe para anotar o passo a passo. Deu certo de primeira e casou perfeitamente com o friozinho que está fazendo em São Paulo por esses dias.

(Foto: Paula R. A fumaça de calor até embaçou o prato!)

:. Você já segue o Órfã no FB? Lá tem posts e umas cositas más.

23/04/2013

Coxinhas de Bueno de Andrada

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , , às 11:49 pm por Paula R.

buenodeandrada1

Sabe quando um lugar fica muito conhecido por um de seus pratos e vira praticamente um ponto turístico? Isso acontece muito em São Paulo, como com as coxinhas do Veloso, o sanduíche de mortadela do Mercadão ou o de pernil do Bar do Estadão. Agora imagine quando uma cidade fica famosa por isso. E esse é o caso de Bueno de Andrada.

O Bar e Mercearia Freitas, que existe há 60 anos no distrito de Araraquara, mudou de nome depois que o escritor Ignácio Loyola Brandão escreveu uma crônica intitulada “As Famosas Coxinhas Douradas de Bueno de Andrada” para o jornal O Estado de S.Paulo, em 2001. O lugar foi rebatizado, com a alcunha Coxinhas Douradas no início do nome, e hoje atrai pessoas de diversas cidades. Eu, por exemplo.

Minha irmã mora em São Carlos e foi ela quem conheceu o restaurante, especializado no meu salgado favorito. Demorei para conseguir conhecer mais do que suas histórias, mas, em janeiro deste ano, reparei o equívoco. Fomos num domingo, como na crônica do Brandão – só não encontrei o sossego descrito. O lugar está famoso.

A receita das coxinhas foi criada há 10 anos pela Sônia, uma das donas do estabelecimento, e é oferecida com recheios variados: frango, quatro queijos, camarão, carne moída, bacalhau, calabresa, entre outros. Sou um pouco conservadora nesse sentido. Para mim, coxinha é de frango e ponto; no máximo com um catupiry fazendo papel de coadjuvante. Mesmo assim, resolvi experimentar a versão de camarão (R$ 6) e a tradicional (R$ 3,50) – pensei em pedir mais uma, mas me alertaram do tamanho. Duas são suficientes para o almoço.

A massa é gostosa, de batata, e o frango muito bem temperado. A de camarão achei inferior, com um recheio um pouco seco – ou talvez seja só o meu tradicionalismo falando. Quero voltar para provar a versão de frango com catupiry e arriscar a de brócolis, que está entre as favoritas das minhas irmãs.

Para quem se animar, se prepare para pegar fila. Nada muito cansativo, mas as filas parecem ser inevitáveis. O lugar é grande, com bastante mesas dentro e fora, ocupando a praça da frente. Grupos de motociclistas e ciclistas batem cartão por lá de fim de semana. Ouvi dizer, inclusive, que alguns apostam corrida; quem chega por último paga a conta.

> Para ler a crônica de Loyola Brandão, clique aqui.

buenodeandrada_2buenodeandrada_3

buenodeandrada_5buenodeandrada_4

Serviço:
Coxinhas Douradas Bueno de Andrada – Bar e Mercearia Freitas
Rua Nilo Rodrigues da Silva, 14
Bueno de Andrada (SP), distrito de Araraquara*
Tel.: (16) 3335-4176
www.coxinhasdouradas.com.br

*Vale registrar que, até o momento, eles não têm filiais (apesar dos “boatos”).

(Fotos: Paula R.)