25/11/2017

Quem tem boca…

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , , às 6:18 pm por Paula R.

IMG_8896

… vai a Roma, já dizia o ditado, que não estava ligado à comida, mas deveria.

Não imaginava voltar para a terra da pizza tão cedo, porém quis a vida (e uma amiga muito querida que mora por lá) que tivesse a oportunidade de retornar dois anos depois e confirmar: se tem um lugar que leva a comida a sério, este lugar é a Itália.

Vivi uma semana na dieta da massa (e sorvete!), dando suspiros ao final de cada refeição. Até mesmo os produtos básicos de supermercado – margarina, mortadela, pão, leite, suco, chocolate… – são uma delícia! As pizzas são grandes, individuais e com a massa fina, os antepastos enormes, o gelato de tomar rezando.

Voltei a alguns restaurantes, conheci outros, comi comida caseira, experimentei novos pratos e sabores. Na primeira vez, confiei demais na minha dedicação de registrar a viagem toda no blog e acabei parando no terceiro post. Para que isso não se repita, farei um resumo da experiência em fotos. Quase não se precisa das palavras, não é mesmo?

IMG_8799

IMG_8800

Abrimos os trabalhos com a pizzaria Buone Maniere, no bairro Centocelle, onde mora minha amiga. De entrada, voltamos a comer o supli (bolinho de arroz) e fechamos com pizza. A minha tinha prosciutto (presunto), cogumelos, queijo, azeitona e um inusitado ovo com a gema mole. Divina!

IMG_8895

Também voltamos ao Miscellanea, onde comi pizza da outra vez, para provar o macarrão a carbonara, que eu adoro (foto principal). O restaurante tem um preço honesto numa região bem turística (atrás do Pantheon) e vale à pena. Dois antepastos deram para cinco pessoas, enquanto a massa é individual – só cuidado com a cerveja, que estava $ 5 a caneca.

IMG_8994

O gelato, como é chamado o sorvete italiano (e aquela marca de picolés do Brasil nos anos 80), carrega daquelas doces maldições: te entrega o paraíso, mas deixa saudades eternas. Pistache, avelã, chocolate e café estão entre meus favoritos.

IMG_8999

Provei pela primeira vez o espaguete a cacio e pepe, que é levemente apimentado e é uma opção “leve” para noites em que não se quer comer muito. Aprovado! (Este da foto é do Artista).

IMG_8944

Resumindo: até a pizza napolitana do boteco simplesinho é uma delícia. Grazie, Itália!

Veja também:
> Post de 2015
> Sobre pizzas

Anúncios

22/09/2014

Dica do dia

Posted in Por aí tagged , , , , às 11:59 pm por Paula R.

palito

O sorvete que tomei ontem de sobremesa me surpreendeu com uma frase espirituosa (e inspiradora) e acabou virando a foto de capa do perfil do Órfã. Aproveito para repassar o conselho aos leitores e também reforçar o convite de seguirem o blog também nas redes sociais, clicando aqui.

Lá, tento compartilhar notícias ligadas à comida que acabam não virando post. (Se levarem em consideração que é bem menos trabalhosos compartilhar um link do que escrever um texto, acreditarão em mim, rs)

(Foto: Paula R.)

15/10/2012

A boa safra de 1957

Posted in Pratos/restaurantes tagged , , , , às 11:07 am por Paula R.

Foi nesse ano que nasceu a sorveteria Fri-Sabor, no bairro da Boa Vista em Recife. Hoje são sete lojas e outros quatro pontos de venda – a que conheci fica em Boa Viagem. São dezenas de opções de sorvetes de massa (em bola ou potinhos para levar) e picolé. Fiquei com os sabores mangaba e pitanga, por R$ 9.

Além do sorvete, que é um clássico, uma de minhas sobremesas recifenses favoritas é o bolo de rolo. Comi a iguaria todos os dias dessa viagem, inclusive na versão fatiada e torrada, que fica ótima no café da manhã. Meu preferido é o da Casa dos Frios que, vejam só, também foi inaugurada em 1957.

E, para não restar dúvidas de que esse é um ano especial, 57 também foi marcado pelo nascimento da mãe desta que vos fala, autora do melhor croquete de batata com carne, do melhor bolinho de chuva e das primeiras receitas que aprendi na vida.

Serviço:

Fri-Sabor
Av. Domingos Ferreira, 3160
Boa Viagem – Recife (PE)
Tel.: (81) 3325-0555
www.frisabor.com.br

Casa dos Frios
Tel.: (81) 2126-0200
www.casadosfrios.com.br

(Fotos: Paula R. / reprodução do site da Casa dos Frios)

03/07/2012

Dia 5*: Vontades

Posted in Sopa de Letrinhas tagged , , , , , às 10:24 am por Paula R.

Logo que fui sentenciada, ops, avisada da dieta restritiva antialérgica, me perguntaram do que eu mais sentiria falta nesses 40 dias e minha resposta foi imediata: rodízio de comida japonesa. Das bebidas, pensei na cerveja, porém, na prática, percebi que me fazem falta coisas bem mais corriqueiras. Um simples requeijão, um leite de caixinha, um presunto, uma omelete, um picolé de limão.

Até as tentações não foram as esperadas. Tirei o aniversário no boteco – com a melhor coxinha do mundo – e a festa junina de letra, mas que dificuldade sobreviver a Haagen Dazs! Minha irmã e uns amigos da Venezuela estavam por aqui e a sorveteria da Oscar Freire foi o lugar escolhido para encerrar o domingo – depois de obrigá-los a comer em casa o final de semana todo, não tinha como negar.

Imaginar como seriam os sabores novos, lembrar dos conhecidos e conferir as opções de taças fizeram os minutos até passarem devagar. Com isso, a Haagen Dazs ganhou a medalha de maior sacrifício da semana. E também entrou para a lista de lugares que tenho data marcada para visitar.

*Contagem da dieta antialérgica. Mais aqui e aqui.

12/01/2012

Aventuras gastronômicas nº 40

Posted in Por aí tagged , , , , às 4:48 pm por Paula R.

Fernanda R. – Rio de Janeiro (RJ) – empada de carne seca e sorvete de tapioca (2011)

“Fomos a um barzinho na avenida da praia, no Leme, Rio de Janeiro, chamado Joaquina Bar & Lanchonete. Comi uma empada de carne seca com massa de farinha de milho, eu diria, sensacional. E para matar um pouquinho do calor que estava na cidade maravilhosa, um sorvete de massa sabor tapioca com calda de goiaba. Sem palavras! Para todos que tiverem a oportunidade: vale a pena ganhar alguns quilinhos. O site é www.joaquinabar.com.br.”

> Já se clicou comendo por aí? Participe da campanha Aventuras gastronômicas, enviando foto para orfadaofelia@yahoo.com.br com relato sobre o cardápio (o que era, onde comeu, o que achou…)

10/11/2011

De volta a Fortaleza

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , , às 4:37 pm por Paula R.

É, a capital cearense ainda não me conquistou pelo estômago. Fui pela segunda vez a trabalho agora e fiquei com a mesma sensação de que a cidade não explora seus dotes gastronômicos para conquistar os visitantes, como fazem Recife, Olinda, Porto de Galinhas, Salvador… Tive dificuldades para encontrar frutas regionais em sucos, caipirinhas ou sorvetes, e até pratos com frutos do mar fresquinhos, por exemplo.

De qualquer modo, sempre há experiências para compartilhar, é claro. Acompanhando as fotos em sentido horário, são elas:

CreParis: sou louca por camarão e a primeira tentativa foi esse crepe num restaurante no térreo do Hotel Praiano, na Beira Mar. O recheio era de camarão com queijos e espinafre. Bom estava, mas faltava “alguma coisa”. Fiquei com a sensação de que o crustáceo era congelado – hipótese reforçada mais tarde por uma amiga, que disse que era época de reprodução e a pesca estava proibida.

Coco Bambu: também na avenida Beira Mar, esse restaurante foi recomendado por amigas, taxistas e outdoors. A casa é toda de madeira, com terraços em dois níveis e interior com decoração de primeira, adega climatizada etc etc. A descrição dos pratos estava bem apetitosa, mas, como não tinha com quem dividir o menu, fiquei nas entradas. Pedi um escondidinho de camarão, que sofreu do mesmo mal do crepe, e um pastel de lagosta aos quatro queijos, que estava uma de-lí-cia – acho que a 1ª vez com uma lagosta a gente nunca esquece! Para acompanhar, caipirinha tropical feita de morango, kiwi e abacaxi, porque as frutas regionais deviam estar de férias. Mais

Cumbuco: essa é aquela típica foto que a gente tira só para mostrar que estava na praia, enquanto os amigos estavam trabalhando. O almoço num complexo bar-restaurante-clube, que se não me engano se chamava “Velas”, foi de iscas de beijupirá e purê de batata. Nada demais, mas a vista…

50 sabores: ah, como eu queria uma sorveteria dessas aqui em São Paulo! Com suas dezenas de sabores regionais, tradicionais e criativos, a pedida é sempre certeira – até sorvete de café arrisquei. Esse aí da foto é de iogurte com fragola de morango, que, imagino, seja um tipo de geleia. Mais

(Fotos: Paula R.)

22/10/2011

Gosto do cerrado

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , , , às 4:56 pm por Paula R.

Andei sumida por conta de umas viagens que fiz por Minas Gerais a trabalho. Foi uma viagem de descobertas, que devem render mais de um post por aqui. Infelizmente, por descuido, perdi minha máquina fotográfica e, com ela, inúmeros registros que tinha feito dos lugares, pessoas e comidas que conheci por lá.

Apesar disso, não poderia deixar de falar, por exemplo, da sorveteria Gosto do Cerrado, que fica em Montes Claros, no norte de Minas. Atipicamente, estava frio e a casa vazia e pudemos enlouquecer provando as dezenas de sabores característicos da região e, é claro, ficando na dúvida do que pedir. Para piorar, além das frutas típicas do cerrado, havia opções mais tradicionais que também eram uma delícia.

Como era self service, tentei pegar bolas menores para aumentar a variedade e consegui provar oito sabores. Isso mesmo, senhoras e senhores, oito sabores, em duas etapas. E detalhe: paguei apenas R$ 9,50 no total. Havia opções com zero lactose ou sem açúcar, mas não provei nenhuma, como podem imaginar.

Segue a lista: mangaba, capim santo (é nosso capim cidreira?), queijo com rapadura, queijo com goiabada, café com uísque, chocolate com laranja, mingau de milho e canela. Além deles, degustei com a colherinha direto do pote: pequi, buriti, murici, pinha, manga ubá, manga rosa, coquinho azedo, genipapo, maracujá do mato etc. Foi tanto açúcar de uma vez só, que deu até acesso de riso na gente depois. Essa história de que criança fica agitada com muito doce deve ser verdade.

O site está fora do ar, mas achei esse comercial aqui:

Serviço:
Gosto do Cerrado
Av. Mestre Fininha, 1.180
Centro – Montes Claros (MG)
Tel.: (38) 3222-1180

(Fotos: clique sobre as imgs para saber a origem)

30/06/2011

Sorveteria da boa

Posted in Aprovados (ou não) tagged , , , , , , às 1:27 am por Paula R.


Nessa viagem, a fruta da vez foi o cajá. Tomei suco, sorvete, caipirinha… Cupuaçu e graviola até apareciam aqui e ali, mas confesso que senti um pouco de falta de variedade de opções de frutas regionais, principalmente se comparado com a fartura que encontrei em Recife e Salvador.  Seria a época?

Até na sorveteria 50 Sabores, me impressionei com a quantidade de opções que não eram de frutas. O preço tinha cara de São Paulo – R$ 9 duas bolas –, mas valia à pena pela qualidade e pela quantidade. Optei pela dupla cajá e graviola, já que o de siriguela tinha acabado. Pena que não consegui provar o de murici, que é uma fruta típica da região, o de caju, de tamarindo… Fui na unidade de Mucuripe, um dos quatro endereços de Fortaleza.

Diante da carência de boas sorveterias que sinto em São Paulo, acho que já vou começar a campanha: “Quero uma 50 Sabores aqui”.

Serviço:
50 Sabores
Av. Beira Mar, 3958
Mucuripe – Fortaleza (CE)
Tel.: (85) 3032-5850
http://www.50sabores.com.br/

(Foto: Paula R.)

03/04/2011

Aniversário do sundae

Posted in Por aí tagged , , , às 5:32 pm por Paula R.

Adoro essas homenagens que o Google faz na sua homepage como a animação do John Lennon e a interativa do Júlio Verne, minhas favoritas dos últimos tempos. Mas como o assunto aqui é comida, destaque para a de hoje, que comemora o aniversário de 119 anos do primeiro sundae. Segundo a Wikipedia, a primeira taça do gênero foi documentada ao meio dia do dia 3 de abril de 1892, em uma sorveteria de Ithaca (EUA).

> Mais sobre o sundae no próprio Google.

05/11/2010

Cantina aprovada

Posted in Bares/Restaurantes tagged , , , , , às 4:22 pm por Paula R.


Sabe aquele lugar que seus amigos indicam, mas você vai postergando para conhecê-lo? Com o Pasquale foi assim, sem nenhum motivo específico. Além das inúmeras recomendações, foi eleita a melhor cantina de São Paulo (Comer & Berber 2010, da Veja) e fica pertinho do meu trabalho novo, mas acho que o último incentivo foi ler um post sobre o restaurante no blog do Katsuki.

Há algumas semanas, fui tirar a prova. Chegamos cedo, por volta das 20 horas, e foi fácil achar lugar – quando saímos já tinha fila de espera. Escolhemos uma mesa no andar de cima, mas embaixo há um ambiente externo sob uma parreira que deve ser interessante para os almoços. As paredes são de tijolinhos e a decoração é discreta, nada do charme turístico dos Mancini, a Disneylândia das cantinas, nem do toque decadente de alguns endereços do Bixiga.

O cardápio não é vasto. Não há conchigliones, lasanhas, rondellis ou canelones, mas dá para ser feliz. Pedi um prato de riganoti amatriciana (tomate picado, pancetta, alho, manjericão e pecorino romano). Mas o destaque mesmo são os antepastos. Há inúmeras opções e fica até difícil escolher. Ficamos com um embutido caseiro que lembrava o salame lá de casa, abobrinhas grelhadas, berinjela, azeitonas pretas e três tipos de queijo (o de leite de bufála pastoso era divino!). Tudo regado a um tinto argentino.

Pra fechar, um sorvete de tangerina que estava muito saboroso. Não lembro exatamente o preço de tudo, mas acho que saiu por volta de R$ 75 por pessoa. Se você não bebe, sai mais em conta.

Nota: ouvi dizer que o Pasquale está para mudar de endereço. Quando souber o novo, atualizo aqui.

Serviço:
Pasquale
Rua Amália de Noronha, 167
Pinheiros – São Paulo-SP (metrô Sumaré)
Tel.: (11) 3081-0333
www.pasqualecantina.com.br
Não abre de domingo.

(Foto: Paula R.)

Próxima página