29/07/2015

1ªs impressões gastronômicas

Posted in Top 5 tagged , , , , , às 10:21 am por Paula R.

montagem

Ainda não escrevi por aqui, mas há pouco mais de um mês vim para a Espanha passar uns tempos e nada é mais estimulante para experiências gastronômicas do que uma boa viagem, não é mesmo? Experimentando de tudo um pouco eu já estou, basta agora me organizar e passar tudo para o papel, ou melhor, para o blog.

Para inaugurar essa fase hispânica, fiz uma lista – porque eu adoro listinhas! – de minhas impressões sobre a culinária daqui. Depois falo com um pouco mais de detalhes sobre cada item e foto, mas precisava começar de alguma maneira. Lá vai:

– A dieta básica dos espanhóis inclui ovo, “jamón” (presunto gordo), batata e pão. Acho que já vou deixar exames de sangue pré-marcados para quando voltar ao Brasil.
– Como era de se prever, não há coxinhas por aqui. As comidas rápidas para enganar a fome são a “tortilla” (espécie de omelete com batatas) e os “montaditos” (lanchinhos).
– Os pães daqui são cascudos e me fazem ter saudade do pão francês (que é brasileiro).
– Em muitos lugares, se ganham “tapas” (aperitivos) quando se pedem as bebidas. O tipo de petisco melhora a cada rodada. Hum!
– Na maioria dos restaurantes, há menus por cerca de 10 euros, que incluem entrada, prato principal, pão, bebida (que pode ser cerveja) e sobremesa ou café.
– Sei que é muito clichê, mas também sinto falta da dupla arroz com feijão. Por aqui, arroz só em paella. O acompanhamento básico dos pratos é a batata frita.
– Toma-se cerveja como no Brasil, mas os drinks do verão são a sangria e o “tinto de verano“, que leva vinho e água com gás. Adoro!
– Para comprar frutas e verduras a granel, é preciso vestir luvas plásticas descartáveis. Em alguns lugares, como o Carrefour, o cliente é quem pesa e coloca o respectivo código. Me senti tão honesta!
– Até o momento, não encontrei nenhum doce incrível por aqui. Seguindo a dica de uma amiga, comprei Nutella para a TPM.

Obrigada por não desistirem do Órfã e até breve! 😉

(Fotos: Paula R. Ou: um pouco do que vem por aí)

Anúncios

02/01/2014

Top 5: Metas para 2014

Posted in Top 5 tagged , , , , , às 7:52 pm por Paula R.

mergulho

Eu fui uma blogueira muito, muito relapsa em 2013. Mas não vou gastar o tempo de vocês com desculpas esfarrapadas que não levam a nada. No lugar disso, escrevi minha listinha de intenções para o ano que vem aí. E prometo tentar cumpri-las!

  1. Escrever mais no blog!
  2. Voltar a fazer dieta (Ano sim, ano não essa meta entra pra minha lista)
  3. Cozinhar mais em casa
  4. Conhecer novas culinárias
  5. Reformar a cozinha (ou, pelo menos, comprar um fogão novo)

E aí, vocês já fizeram as suas? Feliz ano novo para todo mundo!

Nota: Para seguir no ritmo de férias e tentar refrescar um pouco a alma nesse calor, uma foto de Pierre Javelle e Akiko Ida, que montam mini cenários a partir de comidas. Mais aqui (adorei a das uvas!).

31/07/2013

Top 5: Coisas das quais senti falta

Posted in Top 5 tagged , , , , , às 1:56 pm por Paula R.

coisasquesentifalta

Como não posso chegar assim sem mais explicações, depois de quase um mês sem escrever, lá vai: estive viajando de férias e não consegui ter muito acesso à internet nesse tempo, pois não estou adaptada às tecnologias wi-fi (shame!). Também não consegui deixar posts programados, nem avisar que ia sumir por uns tempos. É, acho que vou mesmo arder no mármore do inferno da blogosfera.

Mas, para compensar, registrei um sem número de comidinhas legais que provei durante a viagem para compartilhar por aqui. São pratos típicos, cervejas (muitas cervejas!) e improvisos das minhas peripécias – muito bem acompanhada de minhas irmãs – por Berlim, Viena, Bratislava, Budapeste, Praga e Rostock. Espero que gostem!

Comi bem por lá, mas é engraçado identificar que coisas simples do dia a dia podem fazer falta. Por isso, retomo os trabalhos do Órfã com meu “Top 5” de coisas das quais senti falta:

1. café com leite
Substitutos nos cafés da manhã: sucos e iogurtes.
2. pão francês
Os pães por lá são diferentes, mais duros ou tipo brioches, e são acompanhados de patês ou cremes à base de queijo. Gostosos também, mas nada da crocância do francês, nem da suculência do pão tostado na frigideira.
3. feijão
Não encontrei feijão em nenhum cardápio – arroz, em poucos. Adoro batata, mas um arroz-com-feijão bem feito é imbatível!
4. salada de folhas
Alface parece ser artigo raro. Quase tudo é à base de pepino, tomate e repolho.
5. escrever para o blog 🙂

(Fotos do stock.xchng: Adriano Alves (pães), Karen Andrews (feijões), Jenny W. (café) e Ana Batista (alface))

10/07/2012

Dia 14*: Top 5 posts com pizza

Posted in Top 5 tagged , , , às 10:20 pm por Paula R.

Dizem que hoje, dia 10 de junho, é o Dia da Pizza. Não sei qual a veracidade, nem a origem da comemoração, mas, em outra época, seria a desculpa perfeita para conhecer uma pizzaria nova, provar um sabor exótico ou fazer uma pizzada em casa. Infelizmente, como a maioria sabe, a dieta restritiva antialérgica não permite nada disso.

Por isso, para não deixar passar em branco a data deste prato que é a cara do paulistano, selecionei cinco posts sobre o tema que já deram o ar da graça por aqui:

1. Tico e o pão de nó, sobre meu vizinho da infância que trabalhava numa pizzaria. Ver post.
2. Receita brasileira, nome gringo, com curiosidades sobre a pizza napolitana. Aqui.
3. Nós e nossas mesmices, de uma época em que só pedíamos pizza quatro queijos. Ali.
4. Pizza de alface, um dos sabores mais exóticos que já provei. Em São Carlos. Acolá.
5. Pizza Hut grátis, sobre peculiaridades futebolísticas da última Copa do Mundo. E mais este.

*Contagem da dieta antialérgica. Mais aqui e aqui.

(Img: reprodução de tirinha do Maurício de Sousa. Mais aqui.)

08/02/2012

Gráfico de pizza

Posted in Top 5 tagged , , , , , às 4:55 pm por Paula R.

Ontem vi esse gráfico no site da Superinteressante sobre as pizzas mais pedidas do Brasil – vale dar uma olhada na matéria para ver as peculiaridades de algumas capitais. A grande vencedora foi a calabresa, que na capital paulista não leva queijo, seguida das de marguerita e portuguesa empatadas.

Já se o ranking fosse feito lá em casa, acho que ficaria mais ou menos assim:

1. Quatro queijos (com gorgonzola)
2. Calabresa com mussarela
3. Brócolis com mussarela
4. Marguerita
5. Lombinho com catupiry ou alguma com presunto e sem cebola (de preferência não a portuguesa)

Não sou muito fã de pizzas com carnes não embutidas, como essa de coração de galinha de Porto Alegre, ou com peixes. Cebola, pimenta e pimentões também dispenso. Por outro lado, destaco a inusitada pizza de alface, da Pizzaria Florença de São Carlos, e as poucas que encontrei  de shitake por aí. Delícia!

E, você, quais as suas Top 5?

> Vale uma espiada no post “Nós e nossas mesmices”.

(Img: reprodução do site da Super)

10/01/2012

Melhores de 2011

Posted in Bares/Restaurantes, Top 5 tagged , , , , às 12:00 am por Paula R.

Apesar de ter sido um ano com um pouco menos posts, 2011 foi marcado pela descoberta de bons lugares para comer – o que é muito importante, diga-se de passagem. Acabou ficando difícil escolher meus favoritos e a listinha terminou com 10 itens, porém, desta vez, já em ordem de preferência.

And the Oscar goes to:

1. Izakaya Issa: é um tanto irônico, mas minha medalha de ouro vai justamente para um restaurante que ainda não resenhei. Fiquei sabendo do Izakaya pelo blog do Katsuki e já fui pelo menos quatro vezes esse ano. Adiei escrever sobre o bar japonês seguidas vezes, pois achava que o texto poderia não conseguir traduzir a experiência. Com esse ranking, porém, fazê-lo vai se tornar quase uma questão de honra.

2. Garabed: se fosse surpreendida com um “responda rápido qual sua culinária favorita”, acredito que minha resposta hoje seria: japonesa e árabe. Assim, para este segundo lugar, não poderia deixar de fora meu restaurante favorito da categoria. O Garabed é armênio e serve clássicos como esfiha, kafta e quibe, porém de um jeito que eu nunca tinha provado. É um pouco caro, cerca de R$ 50 por pessoa, e o ambiente é simples, mas vale muito à pena. Uma das desvantagens (para mim) que lhe tirou o título é a localização: fica em Santana, longe do metrô. Mais…

3. Arabia: a casa esteve entre as minhas favoritas das duas edições da Restaurant Week de 2011. Ambiente agradável, atendimento excelente e comida gostosa. Só não sei quanto sairia um jantar num dia comum. Mais aqui e aqui.

4. AK Vila: confesso que, da 4ª à 8ª posição, não há muita variação no quanto gostei de cada restaurante. Todos conheci na RW e alguns fui em mais de uma edição. Acabam se diferenciando pela localização ou por algum prato. No caso do AK, o espaguete com pesto e lulas me faz ficar na contagem regressiva para a próxima edição. E ainda teve brinde com espumante e vinho do porto. Hum! Mais…

5. Tanger: assim como o AK, é próximo ao meu trabalho e facilita aproveitar o menu da RW na refeição mais em conta. Também destaco o fato de oferecer um menu executivo a preço acessível e, principalmente, por ter sido cenário de alguns dos almoços mais gostosinhos que tive esse ano. Mais…

6. Obá: casarão charmoso na região da Paulista (Jardins), com decoração inspirada pelas culinárias oferecidas: brasileira, italiana, mexicana e tailandesa. Além do atendimento gentil, destaque para a entrada e a sobremesa da última RW. Pretendo voltar num dia normal. Mais…

7. La Caballeriza: a casa de carne argentina nos Jardins sempre acerta a mão também na entrada, com as empanadas, e na sobremesa. Comida boa sem ser a preço exorbitante, pelo que me lembro do cardápio. O ambiente é bem bonito e dá para ir tanto com a família como com o(a) namorado(a). Mais aqui e aqui.

8. Taizan: também duplamente visitado nas RWs, fez com que a comida chinesa mudasse de categoria para mim. Fica na Liberdade e tem fachada de supermercado, porém a comida e o tamanho dos pratos valem à pena. Mais…

9. Shintori: a comida era bem-feita, é claro, mas o que ficou marcado na minha memória é que era em pequena quantidade – pelo menos no menu da RW. De qualquer forma, merece lugar na lista pelo cenário. O bar e o jardim japonês são coisa de filme. Mais…

10. Sukiya: porque nem só de restaurantes finos vive o homem. A rede de fast food japonesa caiu nas minhas graças por ser prática, barata e saborosa. Não troco um karé com kara ague por um Big Mac nem em sonho. Mais…

(Fotos: Paula R. e reprodução do site do Shintori)

06/01/2012

Top 5 – Retrospectiva 2011

Posted in Top 5 tagged , , , , , , , , , , às 2:57 pm por Paula R.

Como é de praxe, a virada do ano costuma ser marcada por retrospectivas, listas, promessas de ano novo, e nessa linha sairá esse primeiro post do Órfã. 2011 foi marcado por bons novos restaurantes – que ganharão um post exclusivo na sequência – e também pela “minha nova fase” de dieta, a reeducação alimentar que enveredei por conta própria e, de certa forma, mudou minha vida.

Além de emagrecer 22 quilos e ficar com mais pique para fazer as coisas, acho que posso dizer que escolher melhor o que comer também resultou em ganhos para o paladar. Fiquei mais exigente na hora de decidir o que pôr no prato – para fugir da dieta precisava valer à pena. Frutas também passaram a fazer mais parte do cardápio e as carnes menos, principalmente as vermelhas.

Também foi o ano em que nasceu o ateliê Lili & Clo, que o Órfã foi convidado para uma coletiva de imprensa, que teve outra Festa do Imigrante, mais RWs… Pensando nisso tudo, preparei um “Top 5” de comidinhas e bebidinhas do ano que passou (a ordem da classificação numérica é mera formalidade):

1. Frutas desidratadas: o morango e o abacaxi foram meus preferidos e, apesar de não levarem açúcar no preparo, ajudaram muito a controlar minha vontade de comer doces. Para encontrar variedade e preço, recomendo o Mercado Municipal. Mais…

2. Cogumelos (champignon fresco, shitake, shimeji, funghi…): com a dieta e uma vontade crescente de comer menos carne, principalmente as vermelhas, 2011 foi um ano dedicado aos cogumelos – pode parecer besteira, mas quando como cogumelos não sinto falta de carne. Na culinária japonesa, no quilo perto do trabalho e até em casa eles apareceram! Depois faço um post rápido sobre como preparar com manteiga e shoyu.

3. Physalis: finalmente conheci a frutinha coqueluche dos doces finos, blogs e livros de receitas descolados. Não foi com chocolate que provei e sim numa caipirinha do Veloso e, é claro, foi aprovada. Mais…

4. Cervejas gourmet: na linha “beber menos e melhor”, descobri as tais cervejas gourmet e tenho gostado de experimentar novos sabores. Ainda sou amadora no ramo, mas tenho prestado mais atenção ao assunto. Destaques desse ano: La Trappe (HOL), Delirium Tremens (BEL), Red Stripe (JAM), Svyturys Baltijos (LIT) e a exclusiva cerveja de abóbora Mecenas. Mais…

5. Conaprole (dulce de leche): se tem uma coisa que me fez desviar da dieta sem peso na consciência foi o doce de leite uruguaio que uma amiga daquelas bandas me apresentou. Sabor, consistência e açúcar na medida. Ô coisa boa! Mais…

> Algumas dicas sobre a dieta aqui.

(Fotos: Paula R.)

 

25/04/2011

E agora, Homer?

Posted in Top 5 tagged , , , , , , às 5:00 pm por Paula R.

Hoje saiu uma lista no R7 elaborada pela nutricionista Michelle Schoffro Cook, que escolheu os 10 piores alimentos para nossa saúde. São itens bem comuns no dia a dia de muitas pessoas e foram condenados por seus níveis de açúcar, gordura trans, corantes e saborizantes artificiais, por exemplo.

A lista de males causados é longa: vão desde mudanças no humor, problemas no sistema nervoso, obesidade, diabetes, artrite, osteoporose até problemas cardíacos e câncer (de diversos tipos). Acho que posso viver sem a maioria, mas o sorvete e a pizza serão difíceis de abandonar – pelo menos parece que as pizzas não congeladas não fazem tão mal assim. Agora minha preocupação ficou mesmo com a medalha de outro da lista, o refrigerante diet. Diante dos argumentos da nutricionista, fica difícil continuar a tomar.

A matéria diz: “De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância (o aspartame) está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte”.

Top 10 – Piores alimentos

10. Sorvete
9. Salgadinho de milho
8. Pizza (especialmente as congeladas)
7. Batata frita
6. Salgadinho de batata
5. Bacon
4. Cachorro-quente
3. Donuts (rosquinha)
2. Refrigerante
1. Refrigerante diet

> Na matéria, dá para saber o que há de errado com cada um. Leia na íntegra.

(Fotos: reprodução da matéria)

10/01/2011

Desenhos premiados

Posted in Top 5 tagged , , , , às 11:56 am por Paula R.

No fim do ano, o blog “They draw and cook” realizou um concurso bacana com seus leitores. Dentre os quatro ganhadores, meu favorito foi o terceiro lugar, que achei bem divertido. Destaque também para o quarto premiado, que transforma as receitas em história em quadrinhos e já tinha aparecido por lá outras vezes.

:. Clique nas imagens para ver as receitas ampliadas. 


1º lugar: Daniela Garreton (Chile)


2º lugar: Eliza DeVogel (EUA)


3º lugar: Paula Pertile (EUA) 


4º lugar: Weef (Inglaterra)

> Mais sobre o They draw and cook 

 (Imgs: reprodução do site)

03/01/2011

Melhores de 2010

Posted in Bares/Restaurantes, Top 5 tagged , , , , às 7:13 pm por Paula R.


Ah, as listinhas! O que fazer para me livrar delas? Sou uma fã inveterada dessas classificações – até das mais baratas –, nem que seja só para reclamar. E, não bastasse lê-las, ainda faço as minhas próprias.

Inspirada pelo Top 5 de posts mais acessados, que o WordPress computou, fiquei aqui pensando se seria muito difícil fazer um “Melhores do Ano”. Decidi me render ao desafio e, para isso, defini como critério escolher comidas que nunca tinha provado ou lugares que visitei pela primeira vez em 2010.

Foi difícil limitar a cinco já que, sem pensar muito, estava com uma lista de quase 10 itens. Depois de tirar e pôr alguns deles, segue o resultado (sem ranking):

Barraca polonesa, Festa do Imigrante: sabe quando a gente descobre um tesouro onde menos espera? Foi isso que aconteceu quando provei a panqueca paszteciki z miesem e os pasteizinhos cozidos pierogi na festa no Brás. Uma das minhas metas para 2011 é encontrar onde posso comê-los de novo. Mais

Kabura: amante de comida oriental, já me esbaldei muito em rodízios de ótimo custo x benefício, mas o Kabura me mostrou outros parâmetros para esse tipo de culinária. Provavelmente foi o lugar em que o cardápio mais se aproximava do que é servido no Japão. Mais

Hamburgueria do Sujinhos: foi uma grata surpresa. De ambiente agradável e preço acessível, a variedade de acompanhamentos para os lanches me conquistou e a opção de shitake no shoyu me faz voltar sempre. Mais

Pasquale: cantina recomendada por um amigo, que atendeu às expectativas. Nada de galo empalhado ou Tarantella e com antepastos por quilo que valem à pena. Mais

Crêpe de Paris e Doce de Laura: não teve jeito, no quesito sobremesas, duas delas ficaram empatadas. E as medalhas foram para o crème brulée, que provei no Crêpe de Paris durante a RW, e a torta de pecã, da Doce de Laura, uma descoberta recente. Mais aqui e aqui

(Fotos: créditos nos respectivos posts)

Próxima página